FAKE NEWS

AGU quer acordo com plataformas para combater desinformação sobre RS

Proposta é criar canal direto para retirar conteúdos com desinformação

  • Foto do(a) author(a) Agência Brasil
  • Agência Brasil

Publicado em 11 de maio de 2024 às 07:54

AGU quer acordo com plataformas para combater desinformação sobre RS
AGU quer acordo com plataformas para combater desinformação sobre RS Crédito: AGU/Divulgação

A Advocacia-Geral da União (AGU) realizou nesta sexta-feira (10) uma reunião com representantes das principais plataformas digitais para propor medidas de combate à desinformação envolvendo as enchentes que atingem o Rio Grande do Sul.

Durante a reunião, a AGU fez uma proposta de atuação conjunta com as empresas que operam as redes sociais para criação de um canal direto para retirada de conteúdos com desinformação sobre a tragédia.

Notícias relacionadas:STF prorroga suspensão de prazos processuais para o Rio Grande do Sul .Chuvas no RS causam ao menos 116 mortes e deixam 143 desaparecidos.Quase 70 mil pessoas estão em abrigos gaúchos devido às fortes chuvas.A proposta será analisada pelas empresas, que deverão manifestar concordância ou não em uma nova reunião que será realizada na semana que vem.

A reunião teve a presença de representantes do YouTube, TikTok, Kwai, Spotify, Facebook, Instagram e WhatsApp, além de pessoas da Polícia Federal, do Ministério da Justiça e Segurança Pública e da Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

De acordo com o advogado-geral da União, Jorge Messias, a classificação do conteúdo com desinformação será feita em parceria com agências de checagem, que contam com o trabalho de jornalistas profissionais.

“Temos identificado nos últimos dias um aumento muito preocupante de conteúdos desinformacionais que têm abalado a atuação das forças de segurança pública nos trabalhos de pronto-atendimento, salvamento e auxílio à população do Rio Grande do Sul", afirmou Messias.

Na quarta-feira (8), a AGU entrou na Justiça Federal com pedido de resposta contra o coach Pablo Marçal em razão de postagens com informações falsas sobre a atuação das Forças Armadas na prestação de auxílio à população gaúcha.