brasil

Lula insinua que Bolsonaro inventou ter covid-19 para divulgar cloroquina

"Esse cara é capaz de tudo", afirmou ex-presidente, criticando postura dele na pandemia

  • D
  • Da Redação

Publicado em 18 de julho de 2020 às 09:00

 - Atualizado há um ano

. Crédito: Reprodução

O ex-presidente Lula insinuou que Jair Bolsonaro inventou que está com covid-19 para defender o uso da hidroxicloroquina. Bolsonaro determinou que o Exército aumentasse a fabricação do medicamento em meio à pandemia, mesmo sem comprovação científica de funcionamento contra a doença. A fala de Lula aconteceu durante uma conferência entre bancários na noite da sexta (18) com participação ainda de Fernando Haddad, Flávio Dino e Guilherme Boulos.

"Para resolver a crise sanitária, nós precisamos do bom senso do presidente da República e saber que o único remédio que vai curar, que até hoje nós sabemos, é isolamento das pessoas. O isolamento é a única coisa enquanto não tiver a vacina. E ao invés de o presidente juntar o (Instituto) Butantan e outros laboratórios para pensar no que fazer, para colocar dinheiro para os nossos pesquisadores, ele resolve ficar tentando vender cloroquina! Eu acho que ele é sócio do laboratório do Trump, não é possível!", criticou Lula.

Ele falou também da orientação do Ministério da Saúde para a Fiocruz divulgar amplamente e recomendar o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento precoce de pacientes da covid-19. "Como é que um presidente da República, tenente expulso do Exército, movido pela ignorância, consegue tentar vender todo santo dia pelo rádio, pela televisão e através das fake news que a cloroquina é a salvação contra coronavírus! Sem nenhuma orientação médica, ele ontem disse que vai obrigar a Fiocruz a orientar a cloroquina. É hora dos pesquisadores, é hora dos nossos médicos não aceitarem cumprir orientação. Eu até acho, Haddad, que ele inventou esse negócio de que está com coronavírus para poder dizer que melhorou com a cloroquina. Parece duro, mas eu estou dizendo. Esse cara é capaz de tudo", continuou.

A troca dos ministros de Saúde em meio a uma crise na área também foi citada por Lula. "O primeiro, quando começou a gostar do SUS, foi tirado. O segundo se formou e acho que nunca aprendeu a medir a pressão do cidadão, porque se formou oncologista e montou uma empresa de fundo de investimento na oncologia. Você percebe que ele não entendia nada de medicina. E, agora, colocou o general", disse, citando o general Eduardo Pazuello, que ocupa interinamente o comando da pasta.

Pazuello também foi criticado por aceitar a posição. "O general pode ser bom para muitas coisas, mas não serve para tudo. O general deveria ter recusado, (dito) 'não entendo disso, pelo amor de Deus, me coloca em um front de guerra que eu vou, não vou ser ministro da Saúde'. Mas ele aceitou! E ele tenta indicar um ministro da Educação que também era militar e esse cidadão mentiu com o currículo", falou.