PM é preso por executar atleta da seleção de hóquei em SP

Motivação do crime seria o ciúme que soldado tinha da namorada com vítima

Publicado em 19 de setembro de 2017 às 20:00

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Reprodução

O soldado da Polícia Militar Jarbas Colferai, 23 anos, foi preso por matar o atleta Matheus Garcia Vasconcelos Alves, 24, em São Vicente, São Paulo, na noite da segunda-feira (18). A investigação aponta que o crime foi motivado por ciúmes, já que o PM acreditava que a namorada estava mantendo um caso com Matheus.

Matheus foi baleado na nuca no meio da rua e morreu a caminho do hospital. Ele estava com um carregador de celular quando foi achado, mas o aparelho não estava no local, o que inicialmente levou a polícia a crer que se tratava de um latrocínio - roubo seguido de morte. Amigos do atleta informaram que o PM se passou pela namorada em conversas pelo Messenger do Facebook e atraiu o atleta para o local do crime, segundo o jornal A Tribuna.  Soldado confessou o crime, segundo a Polícia Civil  Se passando pela jovem, ele atraiu a vítima até a Rua Nicolau Guirão Perez, Parque Bitaru. Matheus chegou ao local por volta das 21h30, em um Uber. O policial, armado com um revólver calibre 32, pediu o celular dele, mandou que ele se virasse e o executou com um tiro na nuca. Depois, ele fugiu a pé e abandonou o celular da vítima pelo caminho - o aparelho ainda não foi localizado.

Policiais do 1º DP de São Vicente identificaram o suspeito após 12 horas de diligências. No momento do crime, testemunhas que ouviram o disparo e viram um suspeito vestindo calça preta, casaco de moletom e boné deixar o local de bicicleta em direção à Rua Jacob Emmerich, no Centro.

Após a identificação do PM, o Comando da Polícia Militar foi acionado e apresentou o soldado ao delegado Luis Carlos Cunha, que solicitou a prisão temporária do policial, pedido que está em análise pelo Poder Judiciário.

Embora tenha divulgado que o soldado confessou o crime, a Polícia Civil não informou mais detalhes sobre o crime. Na manhã desta terça-feira, a polícia chegou a deter um homem de 26 anos com as mesmas características do suspeito, mas ele foi liberado após ser submetido a exame residuográfico. Matheus era universitário, atleta e também modelo (Foto: Reprodução) Enterro O corpo de Matheus, que jogava hóquei e chegou a fazer parte da Seleção Brasileira, foi velado e sepultado nesta terça, em Santos. O presidente da Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação, Moacir Júnior, lamentou a morte.  "Não dá para imaginar uma coisa dessas. O menino sempre teve muito talento. Eu tenho um filho de 25 anos, da idade dele, e é difícil. Nós decretamos luto e vamos homenageá-lo".

"Todos no Inter somos uma grande família. Assim como o Matheus, todos são muito felizes. Ele era muito feliz", afirmou ao G1 o conselheiro do Clube Internacional de Regatas de Santos, Emilio da Silva Junior.

Matheus morava em Santos e estudava Publicidade e Propaganda na Universidade Santa Cecília e também trabalhava às vezes como modelo. A vítima começou a jogar hóquei aos cinco anos no Clube Internacional de Regatas, em Santos, e frequentava o local com a família. Em nota, o clube lamentou o caso e destacou o talento do atleta. "O amor pelos patins falou mais alto e, desde então, ele defendeu a Camisa Vermelhinha em campeonatos brasileiros e paulistas".  Atleta jogou pelo Santos e chegou a defender a Seleção Brasileira (Foto: Reprodução)