NO MARCO ZERO

Show de Gilberto Gil no Carnaval de Recife custou R$ 700 mil

Baiano teve o maior cachê

  • Foto do(a) author(a) Rede Nordeste, JC
  • Rede Nordeste, JC

Publicado em 12 de abril de 2024 às 19:01

Gil Crédito: Reprodução

Os shows dos cantores Gilberto Gil e Ludmila na programação oficial do Marco Zero, no Carnaval do Recife, foram os que custaram os cachês mais altos da festividade organizada pela Prefeitura do Recife esse ano. Através de pagamento realizado pelos patrocinadores, foram pagos R$ 700 mil por cada um dos shows.

Os dados foram apresentados ao vereador Alcides Cardoso (PL), líder da oposição na Câmara, que protocolou pedido para que a prefeitura apresentasse a prestação de contas do evento.

Segundo informações de bastidores, Alcides está preparando um documento questionando aos órgãos de controle informações constantes da prestação, que ainda não está completa. Estima-se que o valor do evento tenha ultrapassado os R$ 80 milhões, um recorde de todos os eventos já realizados na cidade.

De acordo com os dados já informados pela prefeitura, as sete apresentações bancadas pelos patrocinadores foram, além de Gilberto Gil e Ludmila, Thiaguinho (R$ 600 mil), Pitty (R$ 520 mil), Luiza Sonza (R$ 450 mil), Dilsinho (R$ 300 mil) e Mumuzinho (R$ 250 mil).

Apesar dessas informações, a gestão do prefeito João Campos (PSB) não revelou quanto foi a parcela total de investimento de cada um dos patrocinadores, informação que está sendo solicitada desde o início de fevereiro pelo vereador.

As empresas patrocinadoras teriam sido a Esportes da Sorte, a Devassa, a Pitú, a Sul América, a Kallas, a KWAI, a Azul, a Red Bull, a Johnie Walker e a Coca-Cola.

O agenciamento dos patrocínios no Carnaval de 2024 no Recife ocorreu através da empresa Trend Show Promoções e Eventos Ltda, contratada pelo Gabinete de Comunicação da gestão João Campos através de processo licitatório.

Pelo contrato, cabe à empresa remuneração através de um percentual dos valores dos patrocínios captados, mas de acordo com resposta ao pedido de acesso à informação, dois meses após o evento, a empresa ainda não apresentou a prestação de contas.