brasil

Youtube remove vídeo em que Olavo de Carvalho diz que 'coronavírus não existe'

Também hoje o Twitter removeu conteúdo de Flávio Bolsonaro com vídeo descontextualizado de Dráuzio Varella

  • D
  • Da Redação

Publicado em 23 de março de 2020 às 20:46

 - Atualizado há um ano

. Crédito: Foto: Reprodução/Youtube

O Youtube decidiu, nesta segunda-feira (23), remover da plataforma um vídeo publicado por Olavo de Carvalho, guru do presidente Jair Bolsonaro. O conteúdo do vídeo colocava em dúvida a existência da pandemia de coronavírus no mundo. Somente no Brasil, mais de 1,8 mil pessoas foram infectadas e 34 vítimas já morreram, segundo o último boletim do Ministério da Saúde.

A rede social entendeu que o conteúdo publicado feria as diretrizes da plataforma. Em seu esforço para contribuir com o combate do coronavírus, o Youtube já havia informado que ira remover vídeos que violassem a política do site, o que inclui conteúdo que incentiva as pessoas a não procurarem atendimento médico ou que afirmem que substâncias nocivas podem ser benéficas para a saúde.

Até o momento, o guru bolsonarista ainda não se manifestou sobre o caso. No final de fevereiro, Olavo teve alta hospitalar após ter ficado internado por doença respiratória. O escritor, que mora nos Estados Unidos e dá cursos de filosofia pela internet, teve forte influência sobre o presidente e filhos com suas ideias conservadoras. 

Twitter remove conteúdo de Flávio Bolsonaro

Também nesta segunda-feira (23), a rede social Twitter apagou publicações do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do senador Flávio Bolsonaro (Sem partido - RJ), que mostravam um vídeo antigo do médico Dráuzio Varella, gravado em janeiro, sobre a crise do coronavírus. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a empresa considerou que as postagens violavam as regras de uso da rede ao potencialmente colocar as pessoas em maior risco de transmitir o vírus.

Em nota emitida na semana anterior, o portal Drauzio Varella, informou que também decidiu retirar o material do site e das redes sociais, substituindo por informação atualizada, já que as autoridades usaram o conteúdo sem informar que se tratava de vídeo antigo, cujas recomendações não valem mais. 

No mesmo comunicado, a equipe do médico explica que, no início do ano, a pandemia não havia chegado ao Brasil, e que por isso produziram conteúdo “para acalmar a população que, à época, não tinha motivos para alterar o ritmo de vida diário (o vídeo antigo que circula data de 30/01, quando a Itália tinha somente dois casos confirmados)”, justificou. 

Nas redes sociais, a equipe do Dr. Dráuzio ainda publicou que considera de extrema irresponsabilidade e desserviço o uso de informações antigas usadas para confundir a população. “Não é hora de fazer uso político dessa situação. É momento de unirmos esforços para evitar o caos no sistema de saúde e a morte de brasileiros”, escreveram.

No lugar das publicações do ministro e do senador apagadas pela plataforma, aparece a seguinte mensagem: “Este Tweet não está mais disponível porque violou as Regras do Twitter”.