BAHIA

Nem o buzu escapa: traficantes fazem "arrastão" e dão tiros de fuzil em São Caetano

Criminosos seriam do BDM, que fugiram de Mirantes de Periperi, após tomada do CV

  • Foto do(a) author(a) Bruno Wendel
  • Bruno Wendel

Publicado em 22 de abril de 2024 às 05:00

Nada de revólver, pistola ou faca. Em Salvador, a moda é assaltar ônibus com fuzil! Isso mesmo, pire! Foi o que aconteceu na última terça (16), em São Caetano. Criminosos fizeram um "arrastão" na Rua São Caetano, que dá acesso ao Largo da Geral. No início da noite, eles renderam os passageiros de dois ônibus da empresa Integra. O momento de maior tensão foi quando um deles descarregou um dos fuzis para o alto. Não houve feridos, mas um vídeo, feito por um dos rodoviários, mostra pelo menos quatro ônibus parados, alguns ainda com passageiros. Informações dão conta de os homens armados eram integrantes do BDM que fugiram de Mirantes de Periperi, com a tomada do CV. E a 9ª CIPM (Pirajá) está em alerta, pois teme que os conflitos locais sejam agravados na região, que sajé é preocupante: em Boa Vista de São Caetano, por exemplo, houve sete homicídios de repercussão em um ano. A coluna pediu uma nota, mas a PM até o momento não respondeu.

"Arrastão" com fuzis em ônibus no bairro de São Caetano Crédito: Divulgação

Morte de menino Joel por PMs é denunciado em evento da ONU

A morte do menino Joel e outros óbitos de jovens e adolescentes em ações policiais em Salvador foram denunciados na Organização das Nações Unidas (ONU). Um dossiê do Instituto Odara, com 17 casos foi entregue na 3ª sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, entre os dias 16 e 19 deste mês, em Genebra, na Suíça. O documento foi apresentado no painel sobre tema: "Quem vai pagar a conta? A reparação quanto ao extermínio das infâncias e juventudes negras do Brasil". Além da denúncia, o Odora recomendou a desmilitarização (que seja adotada outro modelo de segurança, que não seja a guerra), um tribunal, onde o Brasil seria réu pelo racismo institucional, para reparar a sociedade por crimes contra população negra e indígena, além de um fundo monetário das nações unidas voltado para o tema de reparação.

O menino Joel chegou a participar de uma propaganda turística do governo do estado, no verão de 2009/2010
O menino Joel chegou a participar de uma propaganda turística do governo do estado, no verão de 2009/2010 Crédito: Reprodução

E foi por um triz

Por pouco não houve tragédia em Mirantes de Periperi, na terça(16). Cerca de 20 PMs miraram na direção de dois homens, que chegaram ao local, onde estava uma cabeça de um dos traficantes do BMD. O que eles não sabiam era que os homens eram policiais civis, também acionados para a cena do crime. Como os agentes não usam fardas, o clima ficou tenso e só normalizado, depois que os militares compreenderam o que os civis berravam: "É polícia, é polícia".

Polícias Militar  Civil
Polícias Militar Civil Crédito: Divulgação