Miro Palma: O Corinthians de Tite merece ser campeão

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 26 de outubro de 2015 às 05:27

- Atualizado há 10 meses

Se você gosta de um bom jogo de futebol, assista a uma partida do Corinthians. Apesar do clube paulista não ser tão querido por torcedores de outros clubes (não me perguntem o motivo), é um dever de quem é fanático pelo mundo da bola apreciar os comandados do técnico Tite no Campeonato Brasileiro. Em 32 rodadas até o momento, o alvinegro já alcançou a ótima marca de 70 pontos conquistados, com 21 vitórias, sete empates e apenas quatro derrotas. Em busca do hexacampeonato nacional, o clube ainda tem o melhor ataque e a defesa mais eficiente da competição: 58 gols marcados e 25 sofridos.Por tudo o que apresentou até hoje, o Corinthians merece ser campeão, principalmente devido ao trabalho desenvolvido pelo estudioso Tite, cada vez mais profissional e dedicado à beira das quatro linhas. Quem não se lembra, por exemplo, do primeiro semestre marcado por insucessos, com eliminações frustrantes diante do rival Palmeiras, no Campeonato Paulista, e do Guaraní do Paraguai, na Copa Libertadores da América. De quebra, o treinador perdeu nomes importantes no elenco, como os atacantes Emerson Sheik e Paolo Guerrero, jogadores identificados com a torcida e de história vencedora no clube. Mesmo assim, Tite aceitou o desafio de reformular o time mesmo com o Brasileirão em andamento. Acreditou em Vagner Love e fez Renato Augusto reencontrar o bom futebol, assim como o meia Jadson, artilheiro da equipe no campeonato com 12 gols. O sucesso não apareceu por acaso. Tite, enquanto esteve desempregado (por opção), aproveitou o tempo para analisar jogos e conhecer, de perto, o método dos grandes treinadores do mundo. Carlo Ancelotti, campeão mundial e da Liga dos Campeões da Europa pelo Real Madrid, é uma das principais referências desse gaúcho de 54 anos.“Ele é o modelo do profissional europeu que gosto, porque é um cara mais sóbrio. Vou pegar os três que vejo como importantes: Mourinho (Chelsea), Guardiola (Bayern de Munique) e Ancelotti. Ele é o mais sóbrio, o mais simples. Os outros são mais estrelas”, revelou Tite em entrevista ao canal SporTV. A Copa do Mundo de 2014, no Brasil, também esteve no caderninho de anotações do técnico. Ele garante ter visto e analisado todos os 64 jogos da competição e, por isso, virou admirador do esquema 4-1-4-1, bastante utilizado pela campeã Alemanha. Numa visualização simples, o volante ficaria à frente dos laterais e zagueiros, com uma linha de quatro formada por dois jogadores centralizados e outros dois abertos (um deles com mais liberdade para articular e flutuar na intermediária adversária), para depois aparecer o centroavante. Tite não compara as duas equipes por motivos óbvios, mas faz questão de aplicar exatamente o esquema utilizado por Joachim Löw. Ralf seria o Schweinsteiger, enquanto Elias e Renato Augusto fariam as funções de Khedira e Toni Kroos, respectivamente. Malcom, por sua vez, é um jogador mais agudo, exatamente como Müller gosta de atuar. Por fim, Jadson se comporta como Özil, com muita liberdade para pairar, e Vagner Love é o pivô, no melhor estilo Miroslav Klose. Guardadas as proporções, o Corinthians versão 2015 é a Alemanha modelo 2014. Daqui pra frente, iremos acompanhar muitos times e técnicos brasileiros com pensamentos e filosofias semelhantes às de Tite. Para alcançar o êxito, no entanto, é preciso, além de dedicação e estudo, muito amor pela profissão. E esse é o diferencial de Tite, como ele mesmo confessou. “Sempre que vou me deitar, levo um papel e uma caneta para deixar ao lado da cama. Se me lembro de alguma coisa, anoto para não esquecer”. Por esses motivos, ele é merecedor da taça do Brasileirão e, em um futuro não muito distante, o prêmio de comandar a nossa Seleção Brasileira. Espero que não demore muito. Miro Palma É subeditor de Esporte e escreve às segundas-feiras