Satélite: Deputado solicita acesso a relatório que pode complicar Wagner

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 4 de fevereiro de 2016 às 07:27

- Atualizado há 10 meses

Aperto no circuitoSem alarde, o deputado Paulo Azi (DEM) protocolou ontem na CPI dos Fundos de Pensão da Câmara novo requerimento que, uma vez aprovado, criará mais dores de cabeça para o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner (PT).

No pedido, o democrata solicita acesso ao relatório completo com conteúdo das mensagens telefônicas interceptadas pela Polícia Federal no celular do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro. Com 600 páginas, o documento enviado pela PF para a Procuradoria-Geral da República teve trechos vazados à imprensa.

Neles, há diálogos que expõem a proximidade entre Wagner e a construtora investigada pela Operação Lava Jato. No entanto, o interesse da oposição é vasculhar transcrições que ainda estão sob sigilo. Em conversas reservadas, caciques do DEM e do PSDB apostam na existência de indícios mais robustos do que os já conhecidos na papelada.

Comissão de frenteO Palácio Thomé de Souza vai usar uma solução caseira para substituir o vereador licenciado Heber Santana (PSC) no comando da Secretaria Municipal de Relações Institucionais. O nome escolhido é o do atual chefe de gabinete de Santana, o urbanista Osny Bonfim, que já dirigiu a Defesa Civil de Salvador (Codesal) e o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro).

Cria política do PSC e braço direito de Santana, que deixará o cargo para concorrer à reeleição, Bonfim é conhecido pelo perfil discreto e por possuir bom trânsito entre parlamentares.

Bloco da pilhériaRendeu piada a recusa do senador Walter Pinheiro em encabeçar uma eventual chapa do PT na disputa pela prefeitura de Salvador. Em grupos de trocas de mensagem, a gozação da vez entre líderes da oposição ao governo do estado é dizer que, após o descarte de Pinheiro, os petistas agora cogitam pôr a vaga de candidato do partido no cadastro de ofertas de emprego do Sine-Bahia, órgão responsável por intermediar mão de obra. Pressão nas cordasAinda sobre o Sine, o Palácio de Ondina vê com preocupação a crise no PCdoB, iniciada após o secretário do Trabalho, Álvaro Gomes, exonerar um aliado do deputado Daniel Almeida. Presidente estadual da sigla, Almeida exige a volta de Marcelo Gavião para a coordenação do Sine, mas Gomes resiste.

Para o alto escalão do governo, o secretário caiu em sinuca de bico. Se capitular, sairá enfraquecido. Se não, terá a cabeça pedida. Nos dois casos, a conta fica para a Governadoria.A folia tá liberada, Salvador! As chaves da cidade já foram entregues ao Rei Momo e agora é só alegriaACM Neto, prefeito de Salvador, ao convocar, via Twitter, os soteropolitanos para a festa após a cerimônia de abertura oficial do Carnaval.OMB nega irregularidadeEm nota enviada à Satélite, o presidente da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) na Bahia, Sidnei Bonfim, negou ilegalidade na cobrança obrigatória das anuidades de 2015 e 2016 para artistas que vão trabalhar no Carnaval.

Alegou que a portaria do Ministério do Trabalho revogando a exigência não se sobrepõe à lei federal 3.587, de 1960, que implementou a regra, combatida judicialmente pela classe em todo país e derrubada pelo Supremo Tribunal Federal.

O presidente da OMB afirmou que a sentença da Corte ainda não vigora, mas não fala nada sobre a inconstitucionalidade da prática apontada pela unanimidade dos ministros do STF.

PílulaA incógnita do momento: no ano em que o PT é a maior vidraça, como vai se comportar a Mudança do Garcia?