Satélite: investigações apontam que ex-deputado Luiz Argôlo fez lobby para hotel de doleiro em Porto Seguro

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 17 de outubro de 2015 às 03:41

- Atualizado há 10 meses

Investigações realizadas pela Operação Lava Jato apontam que o ex-deputado Luiz Argôlo, preso desde abril em Curitiba, intercedeu junto à Superintendência do Banco do Nordeste (BNB) na Bahia para obter financiamento destinado à reforma do hotel do doleiro Alberto Youssef em Porto Seguro, o Príncipe das Enseadas.  A negociata só não foi adiante, segundo relatório do Ministério Público Federal do Paraná obtido pela Satélite, porque o testa de ferro de Youssef na empresa GFD Investimentos, o advogado Carlos Alberto Pereira Costa, foi preso pela Polícia Federal em 17 de março de 2014, durante a primeira fase da operação.  No mesmo dia, Carlos Alberto embarcaria de São Paulo para Salvador, onde tinha reunião agendada com um executivo do banco indicado por Argôlo para facilitar o financiamento. Ainda de acordo com o documento do MPF, Youssef disse em sua delação premiada não saber o nome do contato do ex-parlamentar no BNB da Bahia

Hoje, só amanhãApós a enxurrada de trocas partidárias na Câmara de Salvador, três vereadores da base aliada ao prefeito ACM Neto (DEM) ainda não decidiram para onde vão. Euvaldo Jorge garante que só deixará o PP se for obrigado pela cúpula da sigla a romper com Neto. Paulo Magalhães Jr (PSC)  suspendeu as negociações com o PDT e vai esperar até o fim do prazo legal, seis meses antes da eleição. Já Atanázio Júlio (PTN) recusou todos os convites, incluindo o do DEM.

Papo de caciqueEnquanto aguarda a liberação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para deixar o PDT, o presidente da Assembleia, Marcelo Nilo, está próximo a fechar acordo com o nanico PSL. Nos últimos dias, ele vem se reunindo frequentemente com dois caciques da legenda: o deputado Nelson Leal e o presidente estadual do PSL,  Antônio Olívio Vasconcelos, o Toninho. A contrapartida oferecida por Nilo é mantida em sigilo, mas não a exigência. Quer controle total na nova casa.

Alvo aliadoO secretário estadual da Cultura, Jorge Portugal, recebeu ontem o primeiro disparo público de fogo amigo desde que assumiu o cargo. Presidente da Comissão Especial do Carnaval da Câmara, o vereador Arnando Lessa (PT)  subiu o tom ao criticar a criação de um quarto circuito da folia no Parque de Exposições, voltado aos blocos afro e manifestações tradicionais de outros estados.  “É mais gente saindo dos circuitos para ir para uma festa indoor, fechada, que só interessa a Carlinhos Brown e aos seus patrocinadores. Não representa a Bahia nem os interesses do Carnaval”, atacou Lessa.

Caminho das ÍndiasServidores da Superintendência de Previdência do Estado (Suprev) estão a um passo de se rebelar contra a direção do órgão. É que, desde que se mudaram para o edifício da Desenbahia, os funcionários alocados no primeiro andar do prédio sofrem com o calor excessivo causado pela falta de ar-condicionado, problema que não afeta o segundo andar, onde ficam os chefes. Em reuniões, são frequentes as queixas de doenças respiratórias e  surtos de conjuntivite. Por conta da más-condições no trabalho, foram apelidados de dalits, em referência ao termo que designa a casta mais baixa da Índia.Durante a minha vida inteira nem pressão nem ameaças me intimidaram a fazer aquilo que considero correto Otto Alencar (PSD), senador da República, ao comentar as ameaças de morte que diz ter sofrido por conta de  sua proposta que modifica critério para validação de diplomas de médicos formados no exterior.