Brasileiros preferem professores a militares nas escolas, diz Camilo Santana

Ele falou a deputados durante audiência

  • D
  • Da Redação

Publicado em 12 de abril de 2023 às 13:44

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados

O ministro da Educação, Camilo Santana, reforçou o posicionamento contrário às escolas cívico-militares, que teve as diretorias extintas logo no primeiro mês da presidência de Luiz Inácio Lula da Silva. Para isso, o ministro citou uma pesquisa encomendada pelas organizações civis sem fins lucrativos Cenpec e Ação Educativa, que diz que 72% confiam mais em professores do que em militares para trabalhar em uma escola, e ressaltou a experiência no Estado do Ceará, em que foi governador. "72% dos brasileiros confiam mais em professores do que militares para trabalhar em uma escola. Estou dando dados de evidência. Não há evidências em relação a essa política. É preciso ter evidências que comprovem que essa metodologia é melhor", afirmou a deputados que participam de audiência na comissão de Educação nesta quarta-feira, 12. "É preciso ter evidências que comprovem que essa metodologia é melhor. Das 100 melhores escolas públicas do Brasil, 87 são do meu Estado e nenhuma é militar. A melhor escola pública do Brasil é do Ceará e não é militar", disse. O ex-governador foi convidado para falar sobre o que será feito sobre as mais de 200 escolas criadas durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro a pedido de deputados bolsonaristas, que lotaram a sessão do colegiado. Ele afirmou que há um problema normativo no projeto. "Este programa foi criado por decreto, não houve debate. Na Lei de Diretrizes e Bases não há menção ou estratégia ou estratégia que faça menção às Forças Armadas. Estamos repassando recurso para as Forças Armadas e há um conflito normativo legal que precisa ser resolvido", afirmou Camilo. Ele complementou que debaterá com prefeitos e governadores sobre o que fará com as unidades. "Eu não revoguei (o decreto). O programa continua, só não será prioridade desse governo de criar escolas pelo MEC", disse. A sessão continua em andamento. A oposição usa das comissões para pressionar integrantes do primeiro escalão do governo Lula. Apenas nesta semana, sete ministros visitarão a Câmara dos Deputados para explicar medidas de suas pastas. O primeiro desta semana, Flávio Dino, o depoimento na Comissão de Segurança Pública após a sessão virar palco de confronto entre deputados da oposição e do governo. Houve trocas de insultos e até palavrões.