Luedji Luna, Rachel Reis e mais: artistas lamentam morte de guitarrista da Afrocidade

Fal Silva morreu vítima de espancamento

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 26 de maio de 2024 às 08:18

Fal Silva, guitarrista da Afrocidade, morreu nesta sexta-feira (24)
Fal Silva, guitarrista da Afrocidade, morreu nesta sexta-feira (24) Crédito: Reprodução

Diversos famosos lamentaram a morte de Fal Silva, guitarrista da banda Afrocidade. Nas redes sociais, artistas como Luedji Luna, Rachel Reis e Russo Passapusso, do BaianaSystem, compartilharam mensagens de luto. 

O Instagram do Afrocidade publicou um post se despedindo do jovem. "Ainda difícil acreditar, sentiremos muita falta. Descanse em paz, irmão". Nos comentários, Russo escreveu: "Meus sentimentos mais profundos! Força para a família e amigos. Força para a família musical".

A cantora Luedji Luna também comentou "Eu não acredito" e depois compartilhou o post nos stories. "Ele era doce e me chamava de Lu. Doce, doce, como poucos homens, candura pura. Mais um jovem negro assassinado, a Bahia perde, a música perde... Siga em paz e sem dor Fafal. Que Orum te receba em festa", desejou. 

Rachel Reis, com quem a banda havia anunciado no dia 15 um show em parceria em Belo Horizonte (MG), compartilhou uma foto de Fal, com um coração em luto. 

Presidente da Fundação Gregório de Mattos, Fernando Guerreiro ressaltou que recebeu a notícia com tristeza. "A forma brutal com que a vida desse talentoso artista foi ceifada, comove-nos profundamente. Esperamos que este caso seja apurado e que a justiça seja cumprida", disse.

Fal tinha 32 anos e, de acordo com as primeiras informações de testemunhas, foi encontrado caído com sinais de espancamento perto de um campo de futebol no bairro de Novo Horizonte. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas ele não resistiu.

A Polícia Civil confirmou, ainda, que a morte dele será investigada pela 4ª Delegacia de Homicídios (DH/Camaçari). As guias para remoção e perícia foram expedidas e as circunstâncias, mas não há informações sobre a autoria e motivação do homicídio.

O músico fazia parte da Afrocidade desde 2011 e se apresentou inúmeras vezes nos palcos de projetos e espaços culturais da Fundação Gregório de Mattos, especialmente no Movimento Boca de Brasa, realizado no último mês de março.