SÉRIE A

Bahia visita o Atlético-MG para voltar a ser líder do Brasileirão após sete anos

Times se enfrentam neste domingo (2), em Belo Horizonte, pela 7ª rodada da competição

  • Foto do(a) author(a) Giuliana Mancini
  • Giuliana Mancini

Publicado em 2 de junho de 2024 às 05:00

Everton Ribeiro é um dos pilares do Esquadrão na temporada
Everton Ribeiro é um dos pilares do Esquadrão na temporada Crédito: Tiago Caldas /EC Bahia

Ter forças para brigar pelo topo do Brasileirão não é nada fácil. Mas é uma missão que o Bahia vem tirando de letra em 2024. Com cinco jogos de invencibilidade na competição, sendo três triunfos nos últimos três compromissos, o Esquadrão faz uma campanha digna de primeiro colocado. E está, de fato, com os mesmos 13 pontos do líder Athletico-PR, aparecendo no segundo lugar apenas por ter saldo de gols inferior (6x3). Mas, neste fim de semana, há uma nova chance de alcançar a ponta da tabela.

O time do técnico Rogério Ceni visita o Atlético-MG no domingo (2), às 16h, na Arena MRV, em Belo Horizonte, pela 7ª rodada da Série A. Será o retorno do torneio após duas semanas de paralisação, por conta das enchentes no Rio Grande do Sul.

Esse também será o primeiro compromisso do Bahia após a eliminação, nos pênaltis, para o CRB, na Copa do Nordeste. Para o atacante Everaldo, é preciso transformar a frustração em motivação.

“A gente contava em ir para a final e conquistar o título [do Nordestão]. Infelizmente, não aconteceu, estamos tristes com isso, chateados para caramba. Mas já passou, não podemos nos abater. (...) Tem que servir de motivação. A eliminação não pode nos colocar em um cenário onde a gente imagine que está tudo errado. Não está”, disse o jogador.

“É virar a chave. Campeonato Brasileiro, jogo fora de casa contra o Atlético-MG, jogo muito importante e a gente vai pelos três pontos”, garantiu Everaldo.

Essa também é a oportunidade de quebrar um jejum que já dura sete anos. A última vez que o clube terminou uma rodada na liderança foi em maio de 2017, após golear o Athletico-PR por 6x2 na Fonte Nova. Na época, o tricolor assumiu a ponta da tabela ao fim da rodada inicial.

Desde então, o tabu vem perdurando. Mas pode acabar com um resultado positivo diante do Atlético. Também será preciso contar com uma ‘ajudinha’ do próprio Furacão, que terá que tropeçar diante do Fortaleza, fora de casa, também neste domingo, às 18h30.

Do outro lado de campo, o Galo não promete facilitar esse caminho. O rival mineiro também chega embalado para o confronto, e está invicto na Série A. Em cinco jogos disputados na competição - um a menos que o Esquadrão - , o Atlético-MG soma duas vitórias e três empates. Os nove pontos fazem o time começar a rodada na 7ª colocação.

“Expectativa é de um jogaço. Duas equipes com jogadores de qualidade, que vivem um bom momento no Campeonato Brasileiro. Vai ser um jogo divertido para quem estiver assistindo em casa e muito competitivo para quem estiver dentro de campo. A gente tem que ir lá e errar o menos possível. Eles têm jogadores de extrema qualidade, que podem definir o jogo em um lance. Como a gente também tem. Mas temos que focar nisso. (...) Foco total nesse jogo, que pode nos dar a liderança do campeonato. Vamos lá para conquistar o triunfo”, assegurou o atacante.

Quem joga?

Para enfrentar o Galo, o técnico Rogério Ceni deve ter quatro retornos. Entre eles, do próprio Everaldo. O camisa 9 se recuperou de uma fratura na costela, vem treinando normalmente e se colocou à disposição para a partida. Ele, inclusive, foi acionado nos acréscimos contra o CRB, para bater as penalidades. “Estou muito bem fisicamente, me sentindo preparado”, afirmou.

Ceni também terá como novidades o meia Carlos De Pena, o zagueiro Marcos Victor e lateral esquerdo Ryan.

De Pena foi ausência na semifinal do Nordestão porque foi contratado após o fim das inscrições para a competição regional. Já o zagueiro Marcos Victor se recuperou de uma gripe e deve ser opção no banco de reservas. Por fim, Ryan está recuperado após passar por cirurgia no tornozelo.

A dúvida fica por conta de Victor Cuesta, por dores no joelho. A tendência é que a zaga continue sendo formada pela dupla Kanu e Gabriel Xavier.