VIARADA HISTÓRICA

Mateus Gonçalves vai de vilão a herói no Ba-Vi e dá vantagem ao Vitória na final do Baianão

Atacante saiu do banco e foi o nome no triunfo do Leão sobre o Bahia

  • Foto do(a) author(a) Gabriel Rodrigues
  • Gabriel Rodrigues

Publicado em 1 de abril de 2024 às 05:00

Mateus Gonçalves
Mateus Gonçalves marcou dois dos três gols do Vitória na virada sobre o Bahia Crédito: Arisson Marinho/CORREIO

No emocionante mundo que é o futebol, ser vilão ou herói depende apenas de um detalhe. O certo é quem prova o doce de ser carregado nos braços pela torcida, ou gosto amargo de ficar marcado por uma derrota, dificilmente esquece.

Quis o destino que o atacante Mateus Gonçalves protagonizasse as duas faces dessa moeda em menos de duas semanas. Vilão para o rubro-negro ao ser expulso poucos minutos após entrar em campo na derrota para o Bahia, na Fonte Nova, pela Copa do Nordeste, ontem ele brilhou com dois gols em uma virada épica para o Leão.

Mateus saiu do banco de reservas aos 17 minutos do segundo tempo e balançou as redes aos 21 e aos 44, empatando a partida e fazendo a massa rubro-negra explodir de felicidade.

"Primeiramente, agradecer a Deus, é uma oportunidade. Todo jogador quer esse momento, quer estar sendo visto. É fruto de muito trabalho. Glória a Deus. Pega, Leão!", comemorou logo após o apito final.

Mateus Gonçalves já havia sido protagonista no primeiro clássico do ano, quando também saiu do banco e infernizou a defesa tricolor. Curiosamente, o Vitória venceu o jogo por 3x2 após estar perdendo por 2x1.

Mais do que uma tarde de herói, o atacante deu ao Leão a vantagem de jogar pelo empate no jogo da volta, na Fonte Nova, para conquistar o título de campeão baiano que não vem desde 2017.

"É um grupo muito trabalhador. O Bahia, em todo momento, sempre se dizia favorito. Temos o jogo de volta ainda. Porém, o futebol é dentro de campo. Nosso time com humildade, muito trabalho... principalmente eu, sou um cara que estou sempre trabalhando, aguardando a oportunidade. Tento aproveitar da melhor maneira. E é um sentimento de felicidade. Porém, é aquilo que eu falo, quem sabe o que planta não tem medo da colheita. A gente está sempre plantando, uma hora a colheita chega. Chegou nesse momento especial que Deus permitiu. Muito feliz. Mas pé no chão, temos o segundo jogo para brigar pelo título", disse.