NA BASE DA VONTADE

'Virada espetacular', celebra Condé após vencer primeiro Ba-Vi

Para treinador, resultado mostra que Leão será competitivo na Série A

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 18 de fevereiro de 2024 às 20:47

Léo Condé tenta conduzir o Vitória a mais conquistas em 2024
Léo Condé destacou entrega dos jogadores contra o Bahia Crédito: VICTOR FERREIRA / ECV

A virada do Vitória sobre o Bahia e o triunfo por 3x2 no primeiro clássico do ano deixaram o técnico Léo Condé bem satisfeito com o desempenho do rubro-negro na tarde deste domingo (18).

Após o duelo no Barradão, o treinador elogiou a postura dos jogadores e disse que o resultado serve de recado para a Série A, projetando que o Leão terá uma equipe bastante competitiva no Brasileirão.

"Jogo bastante movimentado, digno de um grande clássico brasileiro. Começamos bem, fizemos gol, tivemos chances, mas sofremos situações que alertamos muito. Contra-ataque adversário e cruzamento. Tivemos chance clara com Osvaldo no primeiro tempo. Determinante a torcida aplaudindo a equipe após o primeiro tempo, vestiário bom no intervalo. Ajustamos a marcação na saída de bola do Bahia. Caio Alexandre achando passes, também correção no lado esquerdo nosso. Mateus Gonçalves entrou bem marcando e atacando. Criamos situações de gols, empatamos e com a força da torcida e dos atletas para conseguirmos uma virada espetacular", afirmou o treinador.

"Acho que a equipe mostrou o contrário do que todo mundo estava cravando, que a gente não tinha um time competitivo para a Série A. Os atletas mostraram que vai ser uma equipe competitiva", completou.

Durante a análise, Léo Condé fez elogios ao coletivo do Vitória, mas também individualizou a atuação dos atletas. O meia Matheusinho e o lateral, por exemplo, foram lembrados pela versatilidade durante a partida.

"A gente tem que ter convicção no que está fazendo. Aqui, no Vitória, é assim. A gente conversou que poderia jogar com três atacantes e Matheus se aproximando, Lucas ultrapassando. Jogadores acreditaram que é possível. Hoje, para ter essa ofensividade toda, a gente teve um jogador que não aparece tanto no quesito ofensivo, mas deu equilíbrio grande para a equipe, que foi Zeca, quase terceiro zagueiro. A gente liberou o Lucas e teve amplitude pala direita com o Osvaldo", explicou.