FENÔMENO GEOLÓGICO

Buracão obriga moradores a deixarem suas casas em Candeias

Ao todo, 37 casas foram interditadas pela prefeitura

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Foto do(a) author(a) Gil Santos
  • Da Redação

  • Gil Santos

Publicado em 24 de abril de 2024 às 11:26

Buracão divide comunidade em Candeias
Buracão divide comunidade em Candeias Crédito: Arisson Marinho/CORREIO

Há 25 anos os moradores do distrito de Menino Jesus, em Candeias, na Região Metropolitana, têm que conviver com um problema que só piora: a erosão do solo. A situação tem se agravado e a prefeitura interditou 37 casas que ficam próximos ao local da cratera que se abriu.

A depressão no solo, também chamada de 'buracão', é uma voçoroca - fenômeno geológico que surge como uma pequena fenda no solo, mas, quando se desenvolve, forma uma cratera gigante capaz de atingir o lençol freático. Geralmente, esse tipo de erosão é formada pela força da água da chuva em solos onde a vegetação é escassa, o que faz com que o solo se torne incapaz de absorver enxurradas.

Líder comunitário, Ítalo Neto conta que a cratera era apenas uma passagem de água, mas o problema começou a se agravar. "Com a chuva que desce das caneletas, virou uma situação deplorável na comunidade, aumentou a cratera, que agora tem 45 metros de comprimento e 30 de profundidade. Ontem teve que interditar por causa da chuva de domingo", relata.

Buracão na comunidade Menino Jesus, em Candeias
Buracão na comunidade Menino Jesus, em Candeias Crédito: Arisson Marinho/CORREIO

Com as casas interditadas, os moradores têm cinco dias para sair da região e ir para um local seguro. 

Segundo a prefeitura, foi autorizado um pacote de ações para minimizar os impactos para as famílias atingidas. Foi autorizada a concessão do auxílio aluguel a todos os atingidos e a prefeitura também aderiu ao plano municipal de redução de riscos com a Universidade Federal da Bahia para realizar estudo conclusivo sobre danos ambientais no buracão para ser enviado ao governo do estado para resolução.

O aluguel social foi estipulado em R$ 350, mas moradores reclamaram que donos de imóveis estão aproveitando a crise para reajustar o preço dos aluguéis, por isso, o valor do benefício aumentou para R$ 500.