BAHIA

Casal de pastores mortos por covid-19 não teria se vacinado

Chirlene Barbosa e Carlos Lúcio faleceram na última semana, em Vitória da Conquista

  • Foto do(a) author(a) Saulo Miguez
  • Saulo Miguez

Publicado em 21 de maio de 2024 às 10:14

 Chirlene Barbosa dos Santos e o pastor Carlos Lúcio
Chirlene Barbosa dos Santos e o pastor Carlos Lúcio Crédito: Reprodução

Um casal de pastores morreu no Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGV) por complicações causadas pela covid-19. Eles eram responsáveis pela Igreja Evangélica Ide Por Todo Mundo, no bairro da Patagônia. A pastora Chirlene Barbosa dos Santos e o pastor Carlos Lúcio deram entrada no HGVC em 4 de abril. Eles faleceram, respectivamente, na quarta (15) e na quinta-feira (16).

Uma fonte próxima ao casal disse em entrevista ao jornal CORREIO que eles não se vacinaram contra a doença. "Infelizmente, faziam parte dos líderes evangélicos iludidos pelo negacionismo político", disse a fonte que preferiu não se identificar.

De acordo com essa fonte, em Vitória da Conquista diversos evangélicos morreram vítimas da covid por não terem se vacinado por conta do discurso propagado nas igrejas. Ele disse ainda que essa é uma realidade não apenas da cidade do sudoeste baiano, mas de todo o país.

"No Brasil, temos 33% de evangélicos e a maioria esmagadora não se vacinou devido a uma ideia política. Essas pessoas que não morreram vão ser os incubadores do vírus em uma possível nova onda", alertou.

Carlos e Chirlene eram conhecidos na cidade pelo bom trabalho religioso e social que faziam. Porém, como disse a fonte ao CORREIO, foram capturados pelas ideias propagadas nos templos e em diversos grupos do Telegram.

Ele lamenta que esse discurso tenha atingido, sobretudo, pessoas humildes que foram vítimas da desinformação propagada por pastores que diziam que eram contra a vacina, mas se vacinaram escondidos, inclusive fora do país.

"Pregaram contra a vacina, mas foram se vacinar nos Estados Unidos. Na Bíblia, não existe nada dizendo que Deus é contrário à ciência. E não existe 'vontade de Deus' em uma morte resultado do negacionismo. Um ideal político deixou esse rastro de mortes e de famílias dilaceradas. E isso ainda não acabou".

Perseguição aos evangélicos vacinados

Apesar desse cenário, há líderes de igrejas evangélicas que propagam um discurso em prol da ciência e apoiam as campanhas de vacinação. Esses pastores, por sua vez, não raramente sofrem perseguição de seus pares, que tentam diminuí-los e descredibilizá-los frente à comunidade.

"Sei de pastores que se posicionaram a favor das medidas de isolamento, uso da máscara e vacinação e foram bastante perseguidos, sofreram ameaças e até algum tipo de agressão alimentada pelo discurso de ódio e negacionista", concluiu.