FURTO DE ENERGIA

“Gato” em Buraquinho: mais de 20 barracas de praia têm ligações clandestinas de energia

Irregularidade pode causar incêndios devastadores e apagões

  • Foto do(a) author(a) Bruno Wendel
  • Bruno Wendel

Publicado em 1 de abril de 2024 às 05:00

Barrascas de paria fazem
Barrascas de praia fazem "gato" de energia em Buraquinho Crédito: Bruno Wendel/CORREIO

É no emaranhado de fios que estão também embolados o crime e principalmente o risco de uma tragédia. Das 39 barracas de praia em Buraquinho, na cidade de Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador (RMS), 24 delas fazem uso de ligações clandestinas de energia. Os “gatos de energia”, como são conhecidos o ato ilícito, são também usados em alguns trailers que vendem lanches na orla. A denúncia é de moradores que, apesar de frequentarem o local, temem no pior, pois o incêndio pode ser devastador, uma vez que, há uma curtíssima distância entre um estabelecimento e outro.

“A gente sabe que não tem muito tempo que duas barracas pegaram fogo aqui, depois de um curto-circuito. As duas foram completamente destruídas pelas chamas. Em um dos casos, o fogo se alastrou para uma barraca vizinha, que foi parcialmente atingida. Nesses locais dormem os seguranças e às vezes, por algum motivo, alguns funcionários, que podem ser surpreendidos pelas chamas. É certo uma tragédia!”, contou uma mulher, que reside nas imediações da orla.

No final da Rua Carlos Conceição, o CORREIO chegou à Praça de Buraquinho e encontrou diversas ligações clandestinas de energia no trecho da orla, que compreende os estabelecimentos que estão às margens do mar e do Rio Joanes. Em vários pontos é possível ver o amontoado de fios ligados entre barracas e trailers e postes de iluminação pública.

A reportagem tentou abordar alguns proprietários, mas eles e nem funcionários quiseram falar sobre o assunto. Mas por telefone, um dono de um trailer, que disse também ter uma barraca de praia no local, admitiu a irregularidade. “Sim, mas todos fazem isso aqui”, respondeu. Ao ser questionado que a ligação clandestina de energia é enquadrada no crime de furto, ele retrucou: “Não sei o porquê você veio só atrás de mim. Não tenho tempo para conversinha”, disse antes de encerrar a ligação. A pena é de quatro anos de prisão e multa, conforme artigo 155 do Código Penal.

De acordo com as denúncias, os “gatos de energia” existem há pelo menos cinco anos na Praia de Buraquinho. “A gente está pagando por aquele que não paga nada, porque vem a taxa de iluminação pública que é em cima do consumo que é gerado naquela área, ou seja, consumo geral é distribuído para aqueles que têm contadores”, explicou outro morador.

Segundo ele, há também quem faça somente alterar as características do medidor de energia, para pagar um valor menor. “Se a barraca abre os sete dias, gasta aproximadamente R$ 1.200. Quem faz esse tipo de ‘gato’ pega até menos que a metade, R$ 400. Eu sei disso porque o próprio dono de uma barraca me disse, como se fosse algo natural”, contou a fonte. Tal ato citado é enquadrado no crime de estelionato, de acordo com o artigo 177, do CP, com pena de um a cinco anos de prisão e multa.

A fonte disse ainda que as gambiarras sobrecarregam a rede elétrica e causam apagões na região. “No próprio contador da prefeitura tem vários ‘gatos’ e prejudica a iluminação pública, porque sobrecarrega o disjuntor e causa queda de energia na praça. A orla fica num breu. A prefeitura consertar, mas depois acontece o mesmo problema. Já ouve uma vez uma até a explosão de um gerador e tudo isso aqui ficou no escuro. Sem falar na questão da segurança pública, porque podemos ser vítimas de assalto, pois um elemento pode ficar escondido e surpreender a gente que caminha na orla “

Procurada, a Neoenergia Coelba respondeu que "já tem programadas inspeções no bairro de Buraquinho, em Lauro de Freitas. A distribuidora tem intensificado as operações de combate ao furto de energia na Bahia nos últimos anos, e, apenas em 2023, mais de 112 mil irregularidades foram removidas. No mesmo período, na cidade de Lauro de Freitas foram desativadas cerca de 2 mil irregularidades. Os resultados anuais históricos alcançados pela companhia são consequência dos investimentos em tecnologias de vigilância e automação para combater a prática fraudulenta e das ações em campo. A companhia seguirá com o trabalho de fiscalização, com o objetivo de, através da remoção dos furtos de energia, garantir mais segurança aos baianos e um fornecimento de energia de mais qualidade. A distribuidora reforça que o furto de energia é considerado crime de acordo com o artigo 155 do Código Penal Brasileiro, com pena de até oito anos de reclusão. As denúncias podem ser feitas anonimamente pelo telefone 116 ou pelo site da Neoenergia (www.neoenergia.com)."

A prefeitura de Lauro de Freitas também foi procurada, mas não respondeu aos contatos até o fechamento da edição, às 23h.

Barraca que está em Buraquinho há 50 anos pega fogo 

Na noite do dia 24 de março de 2022, a barraca Cantinho das Ostras pegou fogo. As chamas tomaram grandes proporções e puderam ser vistas de longe. Alguns moradores da região filmaram a situação. Os bombeiros chegaram ao local por volta das 22h, no entanto, o trabalho de combate durou até as 2h do dia seguinte. Na manhã, ainda havia pequenos focos de incêndio no local, que ficou totalmente destruído

A barraca ficava em uma área onde há cerca de 20 outros estabelecimentos semelhantes. Parte da estrutura, que ficava virada para o calçadão da orla, caiu. Dezenas de caixas de cerveja, que estavam empilhadas, derreteram. Centenas de garrafas foram destruídas. O fogo também atingiu cadeiras empilhadas em uma barraca vizinha, porque os muros são baixos.

Muito plástico derretido, telhas de cerâmica quebradas e grandes pedaços de madeira foram queimadas. Na ocasião, os bombeiros colocaram uma faixa de isolamento em parte da barraca, por causa de fios soltos que ficaram espalhados no chão, que poderiam apresentar riscos aos passantes.

Apesar da tragédia, o Cantinho das Ostras voltou a funcionar. A barraca era uma herança de família está na Praia de Buraquinho há 40 anos.