Jerônimo Rodrigues manda recado para aliado Adolfo Menezes sobre renovação na Alba

Governador afirmou que quem senta na cadeira de presidente da Alba precisa compreender “que é importante fazer a renovação”

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 22 de março de 2024 às 22:20

Governador da Bahia,  Jerônimo Rodrigues
Governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues Crédito: Ascom/GovBA

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), voltou a mostrar insatisfação, nesta sexta-feira (22), com a possibilidade de Adolfo Menezes (PSD), que é seu aliado político, ter mais um mandato como presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba).

O petista afirmou que quem senta na cadeira de presidente da Alba precisa compreender “que é importante fazer a renovação”.

“A autonomia da Assembleia todos nós respeitamos. E vocês (jornalistas) sabem como (Jaques) Wagner governou, Rui (Costa) governou e a minha concepção de respeito às instituições será cada vez mais mantida. Respeitaria o movimento da Assembleia, mas a minha posição, enquanto militante da política, é que eu defendo que a gente tenha que renovar. É fundamental que quem senta naquela cadeira de presidente da Assembleia compreenda que é importante fazer a renovação. Respeitaria o que vier da Assembleia, mas me mantenho dessa forma”, declarou Jerônimo Rodrigues, durante evento em que o governo do Estado e o Banco do Brasil assinaram acordo para a criação do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) da Bahia, no Palácio da Aclamação.

O governador já tinha demonstrado, na última quarta-feira (20), discordar da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Reeleição, que foi articulada e aprovada com o apoio dos seus aliados. Na ocasião, ele disse que era “preocupante o fato da não renovação” na Assembleia Legislativa.

A PEC, que foi aprovada em dois turnos na última terça-feira (19), recebeu 56 votos favoráveis e dois contra. A proposta abre caminho para o terceiro mandato de Adolfo Menezes como comandante da Alba. Questionado após aprovação da PEC se vai disputar um novo mandato, ele se esquivou. “Todos podem pleitear a presidência, e a maioria da Casa, na hora certa, vai dizer”, declarou.

*Com informações da repórter Millena Marques