EMPODERAMENTO

Parque Social realiza 2ª edição do evento Mulheres de Impacto

Evento contou a participação de cinco mulheres baianas de destaque

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 26 de março de 2024 às 22:31

2ª edição do evento aconteceu nesta terça-feira (26)
2ª edição do evento aconteceu nesta terça-feira (26) Crédito: Ana Lucia Albuquerque/CORREIO

O Parque Social realizou a 2ª edição do evento Mulheres de Impacto na tarde desta terça-feira (26), no auditório da instituição, no Parque da Cidade, com o tema “Construindo caminhos, transformando histórias”. Criado em alusão ao Mês da Mulher, o projeto reuniu cinco mulheres potentes em um bate papo mediado pela jornalista e repórter da TV Bahia Andréia Silva, com objetivo de celebrar mulheres que fazem a diferença na sociedade.

As convidadas para o debate foram Aline Silva, professora de boxe para mulheres cis e público LGBTQIAPN+; Elizabete Mendonça, gestora da Escola Comunitária Criança Esperança, em Santo Inácio; Mila Paes, secretária Municipal de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (Semdec); Silvana Magda, coordenadora e produtora artística do Afoxé Filhas de Gandhi; e Silvanete Brandão, presidente da Associação Baiana dos Deficientes Físicos (Abadef).

Aline Silva foi a primeira baiana a ganhar o Campeonato Brasileiro de Boxe, em 1998, no Recife. Hoje, ela comanda um projeto de boxe no Nordeste de Amaralina, onde é professora de mais de 70 mulheres. "Se elas não estivessem comigo, eu não seria Aline. E se eu não estivesse com elas, elas também não seriam atletas. O bom de tudo é o seguinte: o meu trabalho é formar cidadã. Se elas forem campeãs, ótimo, mas se forem cidadãs, melhor ainda”, diz.

Elizabete Mendonça trabalha como gestora de uma unidade de ensino comunitária em Santo Inácio. O papel da colaboradora é estimular crianças e jovens a estudarem. Durante sua fala, ela destacou a resiliência que a manteve à frente do projeto. “Eu sou uma mulher resiliente. Hoje, eu digo que eu sou feliz, feliz em poder ter ajudado várias mulheres”, afirma.

Fundadora do primeiro afoxé de mulheres do Brasil, em 1979, Silvana Magda deixou a residência em Nova Iorque, nos Estados Unidos, onde mora há mais de 40 anos, para voltar à terra natal: Salvador. O motivo? Coordenar o Afoxé Filhas de Gandhi, a pedido da mãe, Gliceria Vasconcelos, diretora do coletivo desde a fundação. Magda ressalta a importância de valorizar mulheres acima dos 50 anos.

“A vida começa aos 50 anos. Então, quando você chega aos 50, é aí que realmente você tem entendimento de tudo que você já viveu e você tem que se ousar, se jogar. Então, venham conhecer o Afoxé, que lá sim vocês se sentirão em casa”, convida.

Dezenas de mulheres marcaram presença no evento. Entre elas, as aposentadas Dinalva Nascimento, 64 anos, e Neusa Maria Ferreira, 65. “O evento foi muito impactante. A mulher precisa disso. A mulher precisa ser ela mesma. Ela tem que ser ela mesma e tomar suas próprias decisões”, diz a primeira. Esse evento foi maravilhoso. Adorei que as mulheres poderosas estiveram aqui, e eu sou uma delas”, completa Neuza.

“A realização deste evento reflete nosso respeito pela diversidade de experiências e perspectivas. Estamos comprometidos com a promoção da equidade de gênero e esperamos que esta celebração inspire ainda mais mulheres a nunca desistir de seus objetivos e fazer a diferença em suas comunidades”, destaca a diretora-geral do Parque Social, Sandra Paranhos.

O Parque Social é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, dedicada a implementar tecnologias sociais de impacto na vida das pessoas e comunidades. A instituição foca em ações, programas e projetos que promovem o empreendedorismo social e a participação cidadã, com destaque para a capacitação profissional e a integração no mercado de trabalho.