Uneb terá 30 dias para apresentar relatório de educação inclusiva sobre aluno autista para o MP BA

A universidade terá que realizar avaliação psicopedagógica e relatoria de todas as ações inclusivas já promovidas

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 22 de março de 2024 às 15:59

Uneb ampliou formas de ingresso na instituição
Uneb Crédito: Divulgação

O Ministério Público (MP) da Bahia recomendou que a Universidade do Estado da Bahia (Uneb) providencie e apresente, dentro do prazo de 30 dias, a realização da avaliação psicopedagógica do estudante do curso de medicina da universidade, Davi Reis Martins. Além do relatório da avaliação, a universidade de apresentar relatoria de todas as ações já promovidas pela Uneb para a efetivação da educação inclusiva em relação ao estudante, que é uma pessoa do espectro autista.

A recomendação, cujos termos foram acordados durante audiência realizada pelo MP com a participação da Uneb para tratar sobre as demandas do estudante, será expedida com o objetivo de assegurar a reintegração do aluno ao curso universitário.

Foi recomendado que a Uneb solicite ao Centro de Educação Especial da Bahia (Ceeba), ou a outra instituição especializada, que submeta o estudante Diego Reis Martins à avaliação psicopedagógica, emitindo, em seguida, o relatório pertinente. O MP recomendou que um profissional especialista em superdotação e altas habilidades elabore um relatório avaliando as habilidades de Diego, que deverá também passar por uma avaliação por profissional neuropsiquiatra junto a uma clínica indicada pelo MP, mediante pagamento por indenização, ou a outra instituição médica habilitada. Recomenda-se a adoção das medidas em até 30 dias, contados da expedição e recebimento da recomendação.

Segundo o MP, durante a reunião com a universidade, ficou acordado que as professoras do Núcleo de Educação Especial da Uneb (Nede) adotarão providências para reaproximarem o estudante, “dialogando com ele e incentivando o seu comparecimento às aulas dos componentes curriculares nos quais se encontra matriculado.

A Uneb se comprometeu também a marcar reunião com Diego e sua mãe para apresentar-lhes duas monitoras apoiadoras do curso de pedagogia, designadas a auxiliarem o estudante nas suas atividades na Universidade.

A promotora de Justiça Adelina de Carvalho pediu que a Uneb apresente em 30 dias um relatório circunstanciado de todas as ações já promovidas pela Uneb para a efetivação da educação inclusiva em relação ao estudante, devendo informar as ações anteriores empreendidas por cada setor da Universidade envolvido.

Durante a audiência, a promotora informou ainda que encaminhará ofício ao Conselho Estadual de Educação da Bahia, solicitando informações a respeito do ofício-consulta encaminhado pela Uneb, sobre “orientação aos cursos superiores da área de Saúde, quanto ao processo admissional e quanto à ‘flexibilização curricular’ para estudantes com necessidades especiais”.

A Uneb foi procurada para esclarecer o posicionamento da instituição sobre a recomendação do MP, mas não houve retorno até a publicação desta matéria.