CLIMA DE TENSÃO

Aiatolá promete reação a ataque que matou 12 em consulado do Irã na Síria

O presidente iraniano condenou o que chamou de "ato desumano, agressivo e desprezível"

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 3 de abril de 2024 às 07:27

O Irã afirmou nesta terça, 2, que Israel e EUA responderão pelo ataque de segunda-feira, 1º, que matou 12 pessoas, incluindo sete membros da Guarda Revolucionária, no consulado iraniano em Damasco, na Síria, uma operação que ameaça expandir a guerra no Oriente Médio.

O líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, advertiu que "o regime perverso sionista será castigado" e o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, afirmou que o "crime covarde não ficará sem resposta".

"Dia após dia, somos testemunhas do fortalecimento da resistência, do desgosto e do ódio das nações livres contra a natureza ilegítima de Israel", afirmou Raisi. O presidente iraniano condenou o que chamou de "ato desumano, agressivo e desprezível de invasão e violação flagrante das normas internacionais".

O bombardeio, atribuído a Israel, contra a seção consular da Embaixada do Irã em Damasco, incluiu "seis mísseis disparados por caças F-35?, segundo Teerã, os primeiros direcionados contra um edifício diplomático iraniano na Síria. Entre os mortos estão três generais da Força Quds e quatro militares.

Ontem, os EUA garantiram ao Irã que não sabiam de nada e não tiveram envolvimento no ataque ao edifício que abrigava também a residência do embaixador iraniano na Síria. O secretário de Estado americano, Antony Blinken, pediu ontem uma investigação "rápida e imparcial" sobre o ataque.

Resposta

O conselho de segurança nacional do Irã discutiu ontem qual será a resposta a Israel, segundo emissoras de TV iranianas, que não deram mais detalhes sobre a retaliação. "Depois de repetidas derrotas e fracassos contra a fé e a vontade dos combatentes da resistência, o regime sionista incluiu assassinatos em sua agenda na luta para se salvar", disse Raisi, que chefiou a reunião do conselho.

Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque. No entanto, uma autoridade do governo israelense disse à agência Reuters que os mortos "estavam por trás de ataques a alvos israelenses e americanos".

Analistas temem que o envolvimento do Irã possa abrir uma nova frente da guerra em Gaza, desta vez no norte de Israel, com a ação do Hezbollah, grupo xiita libanês apoiado por Teerã.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.