6 em cada 10 empresas baianas fecham antes dos cinco anos, diz IBGE

bahia
23.10.2020, 06:30:00
Atualizado: 23.10.2020, 07:11:23
(foto de Tiago Caldas)

6 em cada 10 empresas baianas fecham antes dos cinco anos, diz IBGE

Quem trabalha com o empreendedorismo explica que muitas razões podem influenciar

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Abrir o próprio negócio pode ser o sonho de muitos, mas para vários baianos tem sido quase um pesadelo. É que, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 6 em cada 10 empresas no estado fecham as portas antes de completar cinco anos. Quando o tempo de vida aumenta para pelo menos uma década, o número de empresas sobreviventes cai para 2 em cada 10. 
O cenário levanta o questionamento: o que leva as empresas baianas a terem uma vida tão curta? 

Quem trabalha com o empreendedorismo explica que são muitas razões que podem influenciar. “Existe uma conjunção de  fatores internos que não são controlados, como é o caso da própria pandemia, que demanda uma ação diferente para que a empresa não feche. Neste momento, o que  contou muito para a empresa não fechar foi a capacidade de reação rápida às mudanças do mercado e do comportamento do consumidor”, opina o analista do Sebrae, Wagner Gomes.

A pandemia foi justamente a razão de Breno Marques fechar o estúdio de crossfit, oito meses após ter inaugurado em setembro de 2019. “Quando veio a pandemia, foi difícil se adaptar. As despesas foram ficando maiores que a receita e pra não se endividar muito decidimos fechar”, conta ele.

Agonia da pandemia
Também por causa da pandemia, o empresário Felipe Muñoz fechou a filial da sua barbearia: “A unidade do Rio Vermelho era dentro de um shopping de rua, que não foi nada solidário no momento de negociar o aluguel e o condomínio”. Com todo o foco na matriz, foi possível virar o jogo. “Na unidade da Pituba, a gente conseguiu 100% de desconto no aluguel, negociamos com cada fornecedor, conseguimos um empréstimo, foi possível reformar e crescer”, diz Muñoz, que tem o negócio há cinco anos. 

As dificuldades dos empreendedores baianos, no entanto, são bem anteriores às mudanças provocadas pelo coronavírus. Os dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira, na pesquisa Demografia das Empresas e Estatísticas de Empreendedorismo, dizem respeito ao ano de 2018. Segundo o órgão, das 31.747 empresas locais que começaram a funcionar na época, na Bahia: 21,7% encerraram suas atividades antes de completar um ano; 57,1% fecharam as portas antes de cinco anos; e só 21,7% ainda estavam em atividade.

O estudo aponta, ainda, que em 2018, a Bahia teve o menor número de empresas entrando em atividade dos últimos dez anos, com um total de 35.718. Com mais estabelecimentos fechando do que abrindo, o setor empresarial baiano encolheu 3,0% e atingiu seu menor tamanho desde 2009, com 218.841 unidades ativas. O percentual de empresas que sobreviveram na Bahia ficou entre os 10 mais baixos do país, e é menor do que a média do país e da região Nordeste. 

Para Wagner Gomes, fatores que podem acabar gerando a vida curta das empresas pode envolver falta de planejamento, dificuldade de lidar com a parte financeira do negócio, e até falta de identificação do empreendedor com aquilo que escolheu gerir. “Não dá para querer administrar à distância e só querer ver o dinheiro chegar. O empreendedor precisa estar dentro do negócio”, afirma. 

No caso da empresária Gabriela Naves a identificação era forte e a dificuldade veio na falta de estudo prévio: “Comecei a fazer os doces fit para vender para amigos e quando vi já tinha comprado fogão e virado uma empresa. Mas não soube como fazer para manter o negócio viável e com qualidade”. O consultor de negócios alerta que só se identificar com um segmento não é suficiente:  “Se a empresa não está organizada as coisas ficam muito mais complexas”.

Lado positivo
Apesar do cenário de redução no número de empresas existem também as estatísticas positivas.  É recorde na Bahia o número de empresas que alcançaram o chamado alto crescimento, aquelas que mostram um aumento médio do pessoal ocupado assalariado de pelo menos 20% ao ano por um período de três anos seguidos e que tinham 10 ou mais trabalhadores assalariados no primeiro ano de observação. 

O total de empresas de alto crescimento no estado subiu, de 2017 para 2018, 17,6%, passando de 1.980 para 2.328, o que representou incremento de 348 unidades locais dessa categoria. Quando se consideram apenas as empresas que nasceram em 2018, a Bahia teve uma taxa de 12,6%, o que significa que 27.583 empresas começaram a funcionar. O crescimento em relação ao ano anterior foi de 12,1%. Dentre as atividades econômicas, o segmento de saúde humana e serviços sociais teve a maior taxa de natalidade, em 2018: 18,2%, o que representou 2.598 empresas a  mais. 

Sebrae
Cumprindo com o seu propósito, o Sebrae atende às Micro e Pequenas Empresas para que elas não integrem a lista das companhias que fecharam as portas antes de completar 5 anos. Segundo Wagner Gomes, a entidade oferece atendimento com orientações empresariais, promove eventos, capacitações, entre outros. “Realizamos eventos por segmento e gerais. Temos atendimentos individuais e coletivos. Ainda promovemos capacitações, como seminários, palestras, cursos”, cita o analista técnico.

No Sebrae, os empresários também podem receber consultorias pagas em áreas. No começo da pandemia, as consultorias que tratam os aspectos digitais do negócio foram ofertadas de forma gratuita. Gomes pontua que os atendimentos realizados pela entidade foram intensificados com o coronavírus.

“A pandemia arrochou mais as empresas, tivemos entregas mais intensas. As consultorias digitais gratuitas foram voltadas para preparar os nossos clientes para a parte logística, para fazer negócios à distância, para digitalizar o formato de entrega, para lidar com as redes sociais, criar site”, afirma Gomes. 

Ainda foram realizadas lives e reuniões com empresários para auxiliar as empresas durante a pandemia. “Fizemos um grande volume de eventos e atendimentos digitais. Muitas das ações foram para as empresas conseguirem ter um respiro durante esse período pandêmico. Também auxiliamos com a aplicação nas novas leis, como a da redução da carga horária”, pontua.


Oito dicas para o seu negócio não entrar na estatística

Veja os cuidados que o empreendedor precisa ter segundo o analista do Sebrae Wagner Gomes; 

Planeje para poder mudar: Quando uma empresa nasce planejada tem uma estrutura montada, pensada, e vai conseguir fazer as mudanças necessárias no percurso, tomar novos direcionamentos se necessário. Se a empresa não está organizada as coisas ficam muito mais complexas

Acompanhe as mudanças: Esteja atento ao que acontece no mercado e ao comportamento do consumidor para que o seu negócio consiga acompanhar as mudanças e seguir trazendo novidades para os seus clientes 

Estude o mercado: Antes de começar entenda o mercado para aquele negócio que você está querendo abrir. Qual a demanda? Ele existe? A demanda precisa vir dos clientes e se ela ainda não existir você precisa planejar e traçar estratégias para fazer surgir a necessidade no mercado 

Cuidado com a saturação: Na hora de escolher o negócio a investir perceba se o mercado já não está saturado e se ainda há espaço para mais uma empresa daquele tipo. Isso interfere também na escolha da localização do seu negócio. Você pode acabar decidindo por um negócio complementar ao primeiro onde o mercado ainda não esteja cheio. 

O olho do dono engorda o peixe: Não dá para querer administrar a distância e só querer ver o dinheiro chegar. O empreendedor precisa estar dentro do negócio, precisa se dedicar, estudar, dividir o tempo entre a operação do negócio que vai fazer com que ele consiga operar bem o negócio e perceber os resultados. 

Identifique-se com o que faz: O empreendedor precisa se identificar com o trabalho.Muitas vezes a pessoa quer abrir um negócio porque ouviu falar que determinada atividade rende bem financeiramente, mas se a pessoa não se identifica com aquilo é difícil manter

Ouça as críticas:  Não seja uma vítima da sua própria ideia e pense que só você sabe do negócio. Ouça os clientes suas sugestões e principalmente críticas para que seu negócio consiga sempre se aprimorar  

Esteja nas redes de forma humana: Redes sociais não são sites e uma empresa é feita de pessoas. Esteja nas redes mas crie um relacionamento humano com os seus clientes. Não use apenas para divulgar produtos e preços.  

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas