8 passos para resolver qualquer briga a seu favor com a Comunicação Empática

vanessa brunt
17.06.2020, 05:00:00

8 passos para resolver qualquer briga a seu favor com a Comunicação Empática


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

1. Fale do seu sentimento e não do que o outro fez 

Quando falamos do que sentimos, não temos como estar errados. O argumento é certeiro e não há como o outro falar que estamos sendo injustos de quaisquer maneiras. Logo, ao invés de falar que fulano sempre se atrasa, fale apenas como você se sente quando ele se atrasa. "Fico me sentindo tão triste, preocupada, abandonada, angustiada, com saudade... nessas horas fico sentindo que estamos nos distanciando...". Diga como se sentiu com o ato do outro ao invés de focar apenas no ato em si.

2. Inverta a situação para gerar mais empatia

Conte a situação para o outro com os papéis invertidos. Por exemplo: se você está aborrecido(a) porque o outro não te contou que esteve em um determinado lugar, fale a situação de forma detalhada incluindo tudo o que mais lhe incomodou, mas colocando o outro como sendo você na história e você como se fosse ele(a). "Imagine se eu não ligasse por duas horas para você e estivesse no lugar tal e quando nos falássemos, eu não contasse que estive lá. Você iria achar tranquilo então se eu fizesse isso?". Sempre pergunte no final se a pessoa realmente acharia tranquilo se fosse o inverso ocorrendo.

3. Novos atos individuais

Pergunte para o outro qual a solução para aquele problema ao invés de ficar falando apenas do problema em si, mostre que o ponto principal é a possível resolução. Foquem em verificar como cada um pode agir dali para frente para que algo semelhante não ocorra. Façam novos limites combinados e analisem, com honestidade, até que ponto cada um pode manter as promessas feitas. Conversem, nesse ponto, sobre exemplos e sobre como cada um agiria nesses casos hipotéticos. Assim, caso algo semelhante ocorra, a pessoa já saberá até onde deve ou não ir. Não haverá desculpas.

4. Fale do que o outro perde ao fazer tal coisa

Fale do futuro e não só do presente. Se a pessoa não foi ao jantar com você, não diga só o que ela perdeu com isso, mas também o que ela irá perder a mais agindo assim. Ela vai perder um relacionamento saudável se continuar com essa atitude? Vai perder a sua vontade de ir jantar? Vai perder seus esforços para sair mais cedo do trabalho e comparecer? Você vai passar a colocar outro compromisso no lugar desse como prioridade? O que a pessoa passa a deixar de ganhar? Não fale, inclusive, apenas do que você fará em relação a isso, mas coloque como algo maior: fale do mundo. Afirme, por exemplo, que poucas pessoas no mundo conseguem ter uma relação tão bacana, e que isso vai acabar se dissipando se acontecer novamente de tal maneira.

5. Exemplifique bem

 Ao invés de falar que fulano não te dá atenção, analise as ações e pontue especificamente: "Quando você não está no celular é quando me dá mais carinho". Isso vai fazer com o que outro preste mais atenção a esses pequenos detalhes e entenda melhor o que pode fazer para melhorar. Ao invés de falar "gostaria que você trabalhasse menos", fale que gostaria que a pessoa jantasse mais com você, dê os exemplos... porque ela pode acabar trabalhando menos, mas indo para uma aula de tênis e não para o seu lado.

6. Expresse bem as suas necessidades

 Ao invés de falar "estou com calor", fale: "necessito de um banho". Nem sempre o outro vai entender que você quer tomar banho, ele pode achar que ir para um local mais fresco basta para aquela situação. Se estiver com sede, por exemplo, e sua sede for cessada apenas com água, diga que precisa de água e não apenas que sente sede. Assim o outro não vai acabar oferecendo suco.

7. Mostre sua fé no outro antes de qualquer briga

Muita gente pensa que a melhor maneira de fazer com o que o outro sinta culpa é o colocando para baixo em relação a algo. "Nunca mais vou acreditar em você caso faça tal coisa". Esta é uma frase, por exemplo, que pode ser dita em muitas relações na tentativa de gerar uma péssima sensação futura em quem cometer um erro. Mas quando o outro ainda tem algo bom a manter, é quando ele mais vai querer se esforçar para, de fato, não perder aquilo.

Até com um bichinho de estimação funciona assim. Já ouviu falar de reforço positivo para os cachorros? Melhor do que brigar na hora do erro é dar os petiscos nas horas das boas ações.

Pensemos: se todos chamarem você de algo bom, como de: "o mais inteligente da galera", você não vai querer manter esse posto? Não vai ter receio de algo que tire essa imagem? Não quer dizer que os seres humanos precisam ser perfeitos, mas, sim, que a tentativa de sempre evoluir/melhorar em alguns aspectos pode ocorrer ainda mais quando há um reconhecimento já envolvido.

Pensemos ainda mais: se uma criança tirar um 10 na escola e depois um 0, e os pais falarem que ele é uma decepção e que não merece a escola na qual estuda; a criança pode se desestimular e ficar cada vez mais displicente, não é? Mas se os pais dizem que sabem que ela é a mais capaz que conhecem, ela não irá querer tirar um outro 10?

Esse é um ponto, portanto, para não utilizar somente nas brigas, mas também para muito além delas: sempre diga o que admira no outro, o que há de singular nele. Afirme aleatoriamente, por exemplo: "Você é a pessoa com o melhor caráter que já conheci".

Afirme isso para ele(a) em privado e também na frente dele(a) quando estiverem com mais pessoas por perto, inclusive. Lance esses elogios sobre o outro para outras pessoas. Faça com que mais gente que está ao seu redor passe a dar esse reconhecimento. Ele(a) não vai querer perder o posto conquistado.

8. Efeito surpresa

Elogie o outro no meio da discussão. Utilizar o tópico acima, inclusive, pode ser uma excelente saída. Se for falar algo difícil, por exemplo, comece com um elogio firme. "Você é uma pessoa extremamente cautelosa, que se coloca no lugar do outro... mas nessa situação seria melhor se tivesse pensado como tal pessoa se sentiria... tente nunca esquecer quem você é e como você sempre agiu, sei que não irá se repetir se fizer isso, porque te admiro demais". Bingo!  A pessoa vai sentir que não perdeu ainda o bom posto conquistado e vai querer mantê-lo (e, bom, para isso funcionar bem, basta voltar principalmente para a terceira indicação). 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas