A rede social do eu sozinho

gabriel galo
18.05.2020, 05:00:00

A rede social do eu sozinho


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A lógica das redes sociais é fartamente conhecida. Ela atua para provocar o máximo de reações, aumentar o tempo conectado e os dados que voluntariamente oferecemos. Para isso, fazem o usuário visualizar mais publicações que estejam em conformidade com o que escreve ou interage. Surgem, pois, as bolhas, redomas de informações que vão ao encontro do que pensamos e acreditamos.

Havia, no entanto, a questão da interação social para apaziguar um pouco os ânimos e testar empiricamente a receptividade de ideias e posturas. O aspecto civilizatório da convivência é aprendizado duro, em que se molda o entendimento de respeito e aceitação ao contraditório.

Só que o necessário isolamento pela pandemia derrubou o fator convivência da equação. Presos dentro de casa, inauguramos a mais exclusiva e perfeita rede social existente: a do eu sozinho. Com isso, estamos gradativamente perdendo contato com o alimento da inteligência emocional.

Muitos são os complicadores que contribuem para que a bolha do isolamento adquira contornos explosivos. Sem norte de saída, passamos a ser reféns de disparates, que tocam no âmago de nossas compreensões. Numa escalada de perspectivas, as incertezas levam à angústia, que leva a uma ansiedade desmedida e, em última instância, o desespero, quando não há mais racionalidade em ação, mas apenas sobrevivência e desejo de retomar sensação qualquer de controle.

Reagimos. Vemo-nos diante da necessidade de confrontar os absurdos. Pegamos, assim, em armas e partimos para o combate aberto, escancarado, vigilante. No ponto em que estamos, a guerra não é mais eventual, mas sim recorrente. Não cabe nos desarmarmos.

Mas lutar cansa, e buscamos nos desligar da guerra maior em algo que nos alivie a mente. Ainda assim, fazemos a pausa de armadura, espada e escudo.

Mas ao apertar o play do retorno da convivência limitada, vemos o condicionamento tomar partido. Como tudo era enfrentamento, com reações que obscurecem a razão, enxergamos ofensas com olhos enviesados e contra-atacamos com a fúria da inteligência emocional que se esvai.

Num ambiente em que a absoluta ausência de controle e poder é a tônica, retomar parte deste sentimento corrompedor é instintivo, mesmo que nos viremos contra aqueles com quem caminhamos juntos. Neste ambiente não se entende mais gostos e quereres como atributo individual, mas como ofensa que transcende ao coletivo. É fato: a guerra sempre vai a quem a quer, porque ela se autofabrica.

Está aqui um dos efeitos temerários da quarentena: a erosão de marcos de civilidade e aceitação do contraditório. Neste ínterim de pandemia, é fundamental que saibamos entender causas e consequências, quem é o oponente e quem é o aliado, e em quais situações vale o esforço da batalha, torcendo para que, no cessar fogo, não tenhamos cada um causado um estrago de que nos arrependeremos.

Desta forma, lá na frente, no quando a normalidade possa ser a constante, será urgente buscar o recondicionamento de comportamentos de volta à convivência ampla, reabrindo as portas para aceitarmos nossas vulnerabilidades e entender que diferenças são o sal da vida e o que nos fazem avançar. Só então poderemos mensurar o tamanho do buraco que cavamos para nós mesmos.

Gabriel Galo é escritor 

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/editorial-fotografado-a-distancia-une-tres-paises-na-quarentena/
O ensaio foi realizado pela plataforma Zoom, usando celular
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bau-de-marrom-a-bahia-tambem-ensina-ao-mundo-como-cantar-e-dancar-forro/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/copo-de-leite-faz-haddad-acusar-bolsonaro-de-brindar-supremacistas-brancos-entenda/
Leite tem sido usado como símbolo por neonazistas nos EUA; petista enxergou provocação após repercussão de mortes de homens negros. Presidente nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/anastacia-comemora-80-anos-com-muito-forro/
Cantora e compositora lança EP com produção de Zeca Baleiro e parcerias com Mariana Aydar, Chico César e Amelinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nizan-guanes-vai-entrevistar-roberto-medina-abilio-diniz-e-washington-olivetto/
As entrevistas são parte do Sunday Night Live que o publicitário tem realizado em sua conta do Instagram
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/luiz-caldas-substitui-sanfona-por-guitarra-em-disco-de-forro/
Álbum é o centésimo em projeto do músico que prevê um lançamento temático por mês
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/youtuber-compra-mansao-de-r-65-milhoes-apenas-para-gravar-videos/
Camila Loures disse que seguirá morando em sua antiga residência
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/daniela-faz-live-nesta-sexta-feira-29-com-transmissao-no-multishow/
Apresentação da cantora será em casa e terá clássicos como O Canto da Cidade, além de canções novas
Ler Mais