A rede social do eu sozinho

gabriel galo
18.05.2020, 05:00:00

A rede social do eu sozinho


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A lógica das redes sociais é fartamente conhecida. Ela atua para provocar o máximo de reações, aumentar o tempo conectado e os dados que voluntariamente oferecemos. Para isso, fazem o usuário visualizar mais publicações que estejam em conformidade com o que escreve ou interage. Surgem, pois, as bolhas, redomas de informações que vão ao encontro do que pensamos e acreditamos.

Havia, no entanto, a questão da interação social para apaziguar um pouco os ânimos e testar empiricamente a receptividade de ideias e posturas. O aspecto civilizatório da convivência é aprendizado duro, em que se molda o entendimento de respeito e aceitação ao contraditório.

Só que o necessário isolamento pela pandemia derrubou o fator convivência da equação. Presos dentro de casa, inauguramos a mais exclusiva e perfeita rede social existente: a do eu sozinho. Com isso, estamos gradativamente perdendo contato com o alimento da inteligência emocional.

Muitos são os complicadores que contribuem para que a bolha do isolamento adquira contornos explosivos. Sem norte de saída, passamos a ser reféns de disparates, que tocam no âmago de nossas compreensões. Numa escalada de perspectivas, as incertezas levam à angústia, que leva a uma ansiedade desmedida e, em última instância, o desespero, quando não há mais racionalidade em ação, mas apenas sobrevivência e desejo de retomar sensação qualquer de controle.

Reagimos. Vemo-nos diante da necessidade de confrontar os absurdos. Pegamos, assim, em armas e partimos para o combate aberto, escancarado, vigilante. No ponto em que estamos, a guerra não é mais eventual, mas sim recorrente. Não cabe nos desarmarmos.

Mas lutar cansa, e buscamos nos desligar da guerra maior em algo que nos alivie a mente. Ainda assim, fazemos a pausa de armadura, espada e escudo.

Mas ao apertar o play do retorno da convivência limitada, vemos o condicionamento tomar partido. Como tudo era enfrentamento, com reações que obscurecem a razão, enxergamos ofensas com olhos enviesados e contra-atacamos com a fúria da inteligência emocional que se esvai.

Num ambiente em que a absoluta ausência de controle e poder é a tônica, retomar parte deste sentimento corrompedor é instintivo, mesmo que nos viremos contra aqueles com quem caminhamos juntos. Neste ambiente não se entende mais gostos e quereres como atributo individual, mas como ofensa que transcende ao coletivo. É fato: a guerra sempre vai a quem a quer, porque ela se autofabrica.

Está aqui um dos efeitos temerários da quarentena: a erosão de marcos de civilidade e aceitação do contraditório. Neste ínterim de pandemia, é fundamental que saibamos entender causas e consequências, quem é o oponente e quem é o aliado, e em quais situações vale o esforço da batalha, torcendo para que, no cessar fogo, não tenhamos cada um causado um estrago de que nos arrependeremos.

Desta forma, lá na frente, no quando a normalidade possa ser a constante, será urgente buscar o recondicionamento de comportamentos de volta à convivência ampla, reabrindo as portas para aceitarmos nossas vulnerabilidades e entender que diferenças são o sal da vida e o que nos fazem avançar. Só então poderemos mensurar o tamanho do buraco que cavamos para nós mesmos.

Gabriel Galo é escritor 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cheias-de-bossa-bebel-gilberto-lanca-parceria-com-martnalia/
Confira também o clipe Hipnose, de Larissa Luz, e a canção Caxixi, de Mariene de Castro
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-o-video-filha-interrompe-entrevista-por-videochamada-e-vira-sensacao-nas-redes/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bia-doria-e-val-marchiori-geram-revolta-ao-falar-de-sem-teto-gostam-de-ficar-na-rua/
Socialite e primeira-dama do estado de SP disseram que pessoas não vão para abrigos pois 'não querem responsabilidades'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leonardo-villar-protagonista-de-o-pagador-de-promessas-morre-aos-96-anos/
Ele eternizou o personagem Zé do Burro em filme premiado que se passa na Bahia
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ciclone-bomba-onda-derruba-portao-e-invade-garagem-de-predio-em-sp-assista/
Ressaca atingiu praias na Baixada Santista e deixou rastro de destruição
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mestre-lourimbau-e-localizado-e-esta-internado-em-hospital-no-pau-miudo/
Parentes e artistas fizeram campanha para encontrar berimbalista de 72 anos
Ler Mais