Aceleramos a nova Strada

salvador
07.04.2020, 10:00:00
A nova geração da Strada ganhou visual inspirado na Toro, picape que chegou em 2016 (Fotos: Studio Cerri)

Aceleramos a nova Strada

Lançamento foi adiado, mas o CORREIO já andou na versão 2021 da picape da Fiat

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em fevereiro, na véspera do Carnaval, peguei um voo para Minas Gerais sem dizer para ninguém aonde iria. A missão era secreta no momento: conhecer e dirigir a nova geração da Strada, picape mais vendida do Brasil. Se o coronavírus não tivesse afetado o mundo e colocado o país em quarentena, o lançamento comercial do utilitário da Fiat seria hoje. Nesta data também seriam divulgados os preços da linha 2021, o que só será anunciado agora em um momento mais oportuno.

Antônio Meira Jr., editor de veículos do CORREIO, conheceu a nova Strada em fevereiro

A Fiat ainda não definiu uma nova data para o lançamento pois a produção em Betim, MG, está paralisada e a empresa está se dedicando ao combate da pandemia que assola o planeta. Entre outras ações, criou dois hospitais de campanha (com capacidade total de 300 leitos em MG e em Pernambuco) e está colaborando com a manutenção de respiradores artificiais.

Mas quando a Strada chegar ao mercado ela vai surpreender pelas inovações e, ao mesmo tempo, o consumidor vai se familiarizar facilmente com ela. O principal motivo é o design, inspirado na Toro - modelo lançado em 2016. Além disso, mesmo antes de guiar o veículo os mais atentos irão conferir a suspensão traseira. Vão perceber que o eixo em formato de ômega está lá, assim como as molas parabólicas longitudinais, popularmente conhecidas como feixe de molas. Porém, tudo foi atualizado e os aços são de maior resistência.

A tampa da caçamba ganhou um sistema de mola que deixa a peça 60% mais leve

Ainda na traseira, quem abrir a tampa da caçamba vai notar a leveza da peça. A Fiat introduziu um sistema que alivia 60% do peso, similar ao da Ford Ranger. E com a tampa aberta é possível ver outra novidade: o acesso ao elevador do estepe, que nessa geração é acomodado embaixo da carroceria. Neste momento surge um ponto negativo, o pneu de socorro é de uso temporário na versão Volcano, o que é inapropriado para esse tipo de veículo. Ainda há tempo da empresa repensar essa solução até o lançamento.

O quadro de instrumentos é similar ao utilizado no subcompacto Mobi

Ao entrar na cabine, que poderá ser dupla e com quatro portas (não haverá mais a opção de três), o cliente irá notar que o quadro de instrumentos já é conhecido. É derivado do Mobi. Particularmente, esperávamos que fosse similar ao do Argo, um modelo superior. Fora isso, o espaço interno é maior. A segurança aumentou com a introdução de airbags laterais e os equipamentos foram reposicionados, entre eles, a central multimídia. Completamente renovada, ela terá inclusive a possibilidade de conexão sem fio com smartphones dos sistemas Apple CarPlay e Android Auto. Outra novidade tecnológica são os faróis em Led.

A central multimídia fará conexão sem fio com CarPlay e Android Auto

Experência
A maior expectativa em relação aos motores era encontrar um protótipo equipado com os motores turbo que a Fiat está desenvolvendo. Mas isso ainda não aconteceu. Por enquanto, a versão Volcano da nova Strada será oferecida com o 1.3 litro GSE. É o mesmo propulsor que equipa modelos como Argo e Cronos. 

O motor de quatro cilindros e 16 válvulas entrega 101 cv de potência a 6 mil rpm com gasolina e 109 cv a 6.250 rpm com etanol. O torque máximo, obtido a 3.500 giros, é de 13,7 kgfm com gasolina e 14,2 kgfm com etanol. Por enquanto ele é associado apenas a uma transmissão manual de cinco marchas.

Há cintos de três pontos e encostos de cabeça para todos os ocupantes

A aceleração de 0 a 100 km/h, utilizando etanol, com o motorista e 100 kg de carga, é feita em 11,2 segundos e a velocidade máxima é de 168,4 km/h. Neste caso, a picape estava equipada com pneus de 15 polegadas. Com essa especificação, a picape tem consumo médio urbano de 12,1 km/l com gasolina e 8,4 km/l com etanol. Na estrada passa para 13,3 km/l (G) e 9,4 km/l (E).

Rodamos na pista de testes da Fiat com o veículo vazio, sem nenhum lastro na caçamba. A dirigibilidade melhorou muito. A engenharia trabalhou muito bem na calibragem da suspensão e a introdução da assitência elétrica facilitou os ajustes da direção. As manobras em baixa velocidade ficaram mais confortáveis, em alta, a sensação de firmeza é maior. 

O compartimento de carga da cabine dupla tem capacidade para 844 litros

Essa versão pesa 1.078 kg, tem capacidade para 650 kg e pode rebocar até 400 kg. A caçamba da cabine dupla leva 844 litros.

O conhecido motor 1.8 litro Etorq não será mais oferecido. No entanto o 1.4 litro EVO, que rende até 88 cv, que equipa atualmente a Strada vai estar disponível em algumas versões da nova geração.

Liderança
No mercado desde 1998, a Strada assumiu em 2000 a liderança da categoria de picapes pequenas. No acumulado deste ano, entre janeiro e março, foram emplacadas 15.408 unidades. A principal concorrente é a Volkswagen Saveiro, que teve 9.109 licenciamentos no período. A outra opção no segmento é a Chevrolet Montana, que somou 1.312 emplacamentos no acumulado.

A picape tem 4,48 metros de comprimento, 1,73 m de largura (sem retrovisores), 1,59 m de altura e 2,74 m de distância entre-eixos

Na Bahia, a supremacia da Strada é ainda maior. Foram 709 unidades emplacamentos entre janeiro e março, enquanto a Saveiro teve 227 e a Montana cinco. Além disso, no estado, a picape mais vendida da Fiat é a Toro com 861 unidades. No ranking nacional ela teve 13.370 emplacamentos, ficando atrás da Strada (15.408).

Atualmente, a Strada mais barata custa R$ 54.990, preço da versão Working com cabine simples e motor 1.4. A mais cara é a Adventure equipada com motor 1.8 e cabine dupla: R$ 83.690. A nova geração deverá ser tabelada nesse intervalo de valores, lembrando que a Toro tem preço inicial de R$ 96.990. Além da versão que rodamos, a Volcano, as outras duas versões da linha 2021 são a Endurance e a Freedom.

Por causa do coronavírus, a produção está paralisada e ainda não há data para o lançamento

Entre as rivais, a Saveiro custa entre R$ 54.890, nesse caso com propulsor 1.6 de 8 válvulas, na versão Robust com cabine simples, e R$ 88.690, preço da configuração Cross, com cabine dupla e com o motor 1.6 de 16 válvulas. A Montana é vendida na configuração LS por R$ 57.150 e na Sport por R$ 68.490. A Chevrolet oferece apenas cabine simples e o motor é sempre 1.4 litro.

Mesmo com a ampliação do mercado de utilitários esportivos, o segmento de picapes ocila muito pouco. Em 2015, essa categoria representava 12% das vendas de automóveis e comerciais leves no país, passou para 13,2% em 2016, 13% em 2017, 13,2% em 2018 e 12,9% no ano passado. Esse percentual correspondeu ao emplacamento de 342.804 veículos em 2019, sendo que 76.223 foram da Strada e 65.566 foram da Toro. Ou seja, 141.789 das picapes, mais de 40% das vendas da categoria foram de modelos da Fiat. 

O jornalista viajou a convite da Fiat


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas