Adolescente de 16 anos é vítima de estupro coletivo em praia no Grande Recife

em alta
28.04.2021, 17:39:25
Atualizado: 28.04.2021, 17:55:07
Orla da praia de Candeias em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco (Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem)

Adolescente de 16 anos é vítima de estupro coletivo em praia no Grande Recife

Vítima relata ter sofrido violência sexual praticada por oito rapazes em Jaboatão dos Guararapes

A Polícia Civil de Pernambuco está investigando um estupro coletivo que teria ocorrido na praia de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, na noite do último sábado (24). A vítima se trata de uma adolescente de 16 anos, que já conhecia um dos oito suspeitos de cometer o crime e relatou a violência por meio das redes sociais.

Numa publicação em seu perfil no Instagram, a adolescente, aparentemente muito abalada, contou como tudo aconteceu. Segundo ela, ao passear no local, encontrou um rapaz com o qual já havia se relacionado anteriormente.

"Eu, minha amiga e o namorado dela fomos para a orla, quando a gente chegou lá tinha um pessoal e um menino com quem eu já tinha ficado. Ele olhou para minha cara e disse 'tu ficaria com meu amigo?', aí eu disse 'acho que não'. Então ele fez 'e tu ficaria comigo?' eu disse 'sim'. Então ele me puxou para areia", relatou em vídeo.

A vítima também conta que, quando chegou na faixa de areia, na companhia do rapaz, se deparou com o amigo dele e mais seis rapazes. Logo após, ela fala sobre os momentos de horror que viveu. "Ele olhou para mim e falou 'tu aguenta isso tudinho?' e eu fiz 'não aguento, não'."

Em seguida, o agressor teria a colocado em uma posição sexual, para que todos pudessem cometer o crime. "Não tinha como correr, porque eram oito pessoas e eu estava chorando. Tentaram fazer sexo anal comigo, eu fiquei chorando e não conseguiram terminar", contou a jovem, que ainda afirmou sofrer de ansiedade, doença que teria piorado após o crime sofrido

A adolescente também fez uma publicação com fotos de lesões, que teriam ficado em seu corpo após o estupro coletivo.

Além da vítima, a mãe da jovem também se pronunciou por meio das redes sociais. Em seu relato, ela afirmou que a violência sexual se tratou de uma "covardia". "Isso não se faz com mulher nenhuma. Vocês não pensam na mãe de vocês? Na família de vocês? Na irmã? Vocês nasceram de uma mulher, ninguém deveria fazer isso com ninguém. Ninguém é obrigado a fazer nada forçado. Eu sou mãe, estou com o coração dilacerado", diz a mulher aos prantos.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações irão seguir até a completa elucidação do crime.

Pronunciamento de um dos suspeitos
Também por meio do Instagram, um dos oito suspeitos de terem cometido o estupro coletivo se pronunciou. Segundo o rapaz, a vítima estaria mentindo sobre o ato ter sido forçado, e um vídeo comprovaria a sua tese.

"Pessoal, vocês estão passando dos limites, vamos correr atrás da verdade. Isso não é coisa que essa menina invente, eu tenho um vídeo provando que os meninos não pegaram ela à força, ela falou no vídeo dela que os meninos levaram ela para a areia da praia, à força. Isso é tudo mentira", escreveu.

Pronunciamento de um dos suspeitos, que nega ter praticado o crime (Foto: Reprodução/Instagram)

Repercussão
O caso vem ganhando notoriedade nas redes sociais nesta quarta-feira (28). Uma campanha, que pede justiça pela vítima, tem comovido pessoas de diversos lugares do País, entre elas a apresentadora Maisa, que disse ter ficado "completamente horrorizada" com o crime.

"Ela foi estuprada por oito homens. Não foi um, foram oito. Vamos dar visibilidade para isso aqui, porque nenhum ser humano merece passar por isso, é triste, é revoltante", escreveu um usuário do Twitter.

"A Polícia Civil está investigando um estupro ocorrido na noite do dia 24, em Candeias. A vítima, uma adolescente de 16 anos de idade, registrou com sua genitora o ocorrido na madrugada do dia 25, na delegacia de Prazeres. Ela relatou que teria sido estuprada por vários jovens na orla de Candeias. As investigações seguirão até a elucidação do crime.".

Assine o JC com planos a partir de R$ 1,90 e tenha acesso ilimitado a todo o conteúdo do jc.com.br, à edição digital do JC e ao JC Clube, nosso clube de vantagens e descontos que conta com dezenas de parceiros.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas