Adriane Galisteu lembra ensaio nu para Playboy em 95: 'Fiz por dinheiro'

em alta
05.08.2020, 11:03:00
Atualizado: 05.08.2020, 11:03:49

Adriane Galisteu lembra ensaio nu para Playboy em 95: 'Fiz por dinheiro'

Modelo recebeu meio milhão de dólares para tirar fotos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Adriane Galisteu revelou detalhes e segredos de seu ensaio para a Playboy em agosto de 1995. A edição especial de aniversário da revista vendeu mais de 1 milhão de exemplares, um recorde na época, que trazia a modelo, que ficou conhecida mundialmente como a namorada de Ayrton Senna.

Na ocasião, o ensaio ocorreu na Grécia, 15 meses após a morte do piloto. Galisteu relembra a data, revela bastidores do ensaio e afirma que só aceitou tirar a roupa por um cachê muito alto, que foi acertado em meio milhão de dólares.

"Nunca escondi que fiz por dinheiro. Eu vivia de favor na época que surgiu o convite. Eu estava num momento muito difícil, não só pela morte do Ayrton. Não sabia o que ia acontecer comigo. Tinha também um irmão doente em casa (ele viria falecer logo depois em decorrência da Aids). Não tinha outra saída e decidi fazer. Me apeguei nas mulheres, todas poderosas, que já tinham feito e me deram a chance de escolher a equipe a dedo. Foi um marco na minha vida pessoal e profissional e me deu estabilidade financeira", contou Galisteu na live com o canal Clube da VIP, no YouTube.

Adriane Galisteu relembra que foram 10 dias de trabalho na Grécia que renderam mais de 10 mil fotos que, depois de várias triagens, chegaram ao número de 200. De todos os registros, o fotógrafo JR Duran só não abria mão da famosa foto da depilaçao. "Ele estava certo. Até hoje acho que só vendeu tanto por causa do bafafá criado por essa foto. Virou até matéria do 'Fantástico' na época", acredita a apresentadora, que passa, no momento, uma temporada a trabalho em Portugal.

Foto: Reprodução

A foto icônica da capa foi descartada nas primeiras seleções. Galisteu conta que chegou a fazer algumas opções num estúdio em São Paulo, mas nenhuma havia sido aprovada. "A imagem foi praticamente tirada do lixo. Tinha sido mesmo descartada. E é linda, com a luz do sol fazendo sombra no meu rosto. Quando surgiu a ideia de fazer uma capa dupla, como se fosse um pôster, reencontramos a foto e ela virou a opção", lembra ela, que guarda até hoje um das calcinhas usadas e fotografada em close no ensaio.

De todas as fotos publicadas, apenas uma passou precisou ser manipulada depois, e de um jeito bem artesanal. "Não existia photoshop na época. A foto da depilação, olhando com uma lente de aumento, mostrava um pouco mais do que podia aparecer. Então, chamaram alguém para pintar de nanquim uns pelinhos na foto para cobrir. Foi o único, digamos, photoshop da revista".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas