Afro Fashion Day transforma criatividade a partir dos blocos afro

entretenimento
08.12.2019, 06:45:00
Atualizado: 08.12.2019, 14:48:03

Afro Fashion Day transforma criatividade a partir dos blocos afro

De volta ao Centro Histórico, desfile encantou por reverência à história e à criatividade

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

No último dia do mês de novembro, o Afro Fashion Day chegou ao Terreiro de Jesus dando um recado: moda, dança e música são elementos de pertencimento do povo negro há séculos, e através deles, esse povo se reiventa cotidianamente. Recado que já vem sendo dado há mais de 40 anos pelos blocos afro de Salvador, grandes homenageados do evento realizado pelo CORREIO, e que em 2019 chegou à sua quinta edição.

Filhos de Gandhy, Cortejo Afro, Malê Debalê, Muzenza, Olodum e Ilê Aiyê foram lembrados por 45 marcas baianas de roupas e acessórios, que assinaram criações originais feitas com tecidos cedidos pelos próprios blocos.

Ano a ano, eles se preparam para contar uma história na Avenida durante o Carnaval, quando a passarela passa ser a rua. No Afro Fashion Day, o espírito foi mantido a cada entrada de modelo, em cada ato do desfile, e lembrado no texto de Renato Carneiro e Carlos Danon, fundadores da Katuka Africanidades, e lido pelo cantor Dão na abertura (leia na íntegra abaixo). A reverência à história não impediu que o evento apostasse na transformação. O desafio de criar peças a partir de fantasias de Carnaval já partia desse princípio. 

Aliás, talvez a palavra que melhor resuma o Afro Fashion Day seja essa: transformação. É a partir dela que conduzimos as reportagens que você verá a seguir, sobre como a moda tem repensado a si própria de modo a acompanhar o imperativo da sustentabilidade; sobre como levar looks e makes da passarela para o dia e dia; e sobre como ao fim desse evento tantas vidas são transformadas. Boa leitura!

Veja o texto lido pelo cantor Dão na abertura do Afro Fashion Day 2019 | por Renato Carneiro, estilista, e  Carlos Danon, sociólogo

Cidade do Salvador da Bahia,multiplicidade de vozes, gestos e modos.  Território de diferenças, conflitos e resistências, em um movimento que gera alternativas transformadoras de mentes e corpos que fazem Historias, dizendo sim quando a realidade insiste em dizer que não.  Nossas mãos, a partir das ancestralidades negras, vivências, formas de compreender o mundo, tomam o caos como elemento inspirador . Na ousadia, geram formas de estar e circular, repletas de estilo, cores, novas leituras de equilíbrio e proporções, formam blocos que ao som Malê tomam a cidade, sobem a ladeira e trazem Senegal, reúnem cortejos e na paz de Gandhy gritam a Liberdade, são muzenzas e badaues. Salvador é Salvador, como Wakanda, um desejo de segurança e a necessidade de alimentar a fantasia.  Na 5° edição do Afro Fashion Day, chegamos de lá para aqui vestidos de nossos pertencimentos para comunicar a força do nosso poder.

O Afro Fashion Day é uma realização do jornal Correio, com o patrocínio do Salvador Shopping, apoio institucional da Saltur, Vem Pro Centro, Pelourinho Dia & Noite e Prefeitura Municipal de Salvador, apoio do Instituto ACM e Salvador Bahia Airport e parceria do Sebrae, Melissa, Vizzano e Imaginarte.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas