Afroempreendedorismo nadando entre os grandes

empregos
30.11.2020, 06:00:00
Wakanda construiu uma metodologia inédita de atuação em rede, favorecendo 23 famílias para a produção de máscaras (Arquivo pessoal)

Afroempreendedorismo nadando entre os grandes

Participação da Wakanda Educação Empreendedora em reality amplia visibilidade do black Money em Salvador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quem ama programas de reality show, essa semana, foi surpreendido por ver duas empreendedoras soteropolitanas no Shark Tank Brasil(Sony Channel). Mais que nadar entre os investidores, a participação da Wakanda Educação Empreendedora e sua idealizadora Karine Oliveira emprestou mais visibilidade a uma iniciativa que se propõe ajudar outros micros e nano empreendedores a utilizarem a economia circular como uma forma de garantir qualidade de vida, especialmente à população negra das comunidades de Salvador.

Depois de receber quatro propostas, a Wakanda fechou parceria com a investidora Camila Farani, possibilitando a Karine realizar um sonho. “Quando comecei a trabalhar com essa proposta de educar para o empreendedorismo outros empreendedores, ouvi que não conseguiria vencer em Salvador. Nesses dois anos, conseguimos ajudar mais de 300 empreendimentos com a consultoria e, durante a pandemia, conseguimos construir uma metodologia inédita de atuação em rede, favorecendo 23 famílias para a produção em escala de máscaras e geramos quase R$40 mil reais de renda para essas famílias que atuaram conosco", comemora. 

 A atuação de Karine Oliveira ajudou a mais de 300 empreendimentos negros e periféricos nos últimos dois anos (Foto: Arquivo Pessoal)

Moradora do Engenho Velho da Federação, Karine diz que a perspectiva de atuação com o chamado black money sempre ocorreu nos bairros periféricos da capital baiana, no entanto, o movimento era feito sem intencionalidade, de modo inconsciente. “A Wakanda prepara esses empreendedores para atuarem com excelência, sendo escolhidos não porque são mais baratos, mas porque são muito bons”, diz. 

Invisibilidade

Para a empresária social, nas periferias existem empreendimentos incríveis, mas, como são feitos por necessidade, terminam ficando inferiorizados. “Nossa proposta é preparar esses empreendedores pretos para atuarem num outro nível de qualidade, possibilitando que essa troca de dinheiro de fato aconteça entre nós”, completa.

Na verdade, a Wakanda esteve no  Desafio Salvador Resiliente - Mulheres e Tecnologia, promovido pelo Sebrae Bahia, Prefeitura de Salvador, Fundação Avina, BidLab e Redes de Cidades Resilientes, e ficou entre as quatro que receberam investimento para implementação de projetos. 

Karine defende que a presença num programa nacional não foi uma conquista pessoal, mas o resultado de uma rede de apoio de outros tantos afroempreendedores que entendem a perspectiva de uma economia voltada para a população negra. “Só conseguir estar lá porque outras mãos me ajudaram e isso foi muito significativo, pois existe uma invisibilidade dos negócios negros nessa cidade”, explica.

A própria Camila Farani vibrou com a perspectiva de apresentar ao Brasil um tipo de empreendedorismo diverso daquele tradicionalmente retratado. “Vivemos um novo momento e é muito bom participar dele”, completa. 

Visibilidade

Professora universitária, jovem e dona de uma livraria (@sertaolivrariaecafe), a coordenadora dos projetos de extensão em diversidade da Ânima e empreendedora Jancleide Góes  reconhece que falar de afroempreendedorismo no Brasil é trabalhar com conceitos muito diversos. “Meu perfil de empreendedora é diferente do da minha mãe, por exemplo, que sempre teve pequenos negócios, como costureira, vendedora de salgados e doces, como forma de complementar a renda de casa.

Acredito que há uma multiplicidade no empreender da população negra, enraizada em nossa história passada”, salienta.  
Para ela, todo movimento que visibilize as ações dos afroempreendedores é de extrema importância por fortalecer as resistências. A professora salienta que o empreender com tranquilidade, com capital de giro e como acesso a capital sempre foi um privilégio branco e de poucas pessoas. “As mulheres negras têm três vezes mais créditos negados do que homens brancos. A desigualdade no mercado financeiro é racial e de gênero. Ter movimentos para nomear nossas ações é uma afirmação identitária e que contribui com toda sociedade”, finaliza.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas