Agnaldo Liz defende goleiro João Pedro após empate do Vitória

e.c. vitória
29.01.2020, 23:04:57
Atualizado: 30.01.2020, 08:59:57
Goleiro de 22 anos estreou com a camisa do Vitória (Tiago Caldas / CORREIO)

Agnaldo Liz defende goleiro João Pedro após empate do Vitória

Técnico destacou que Juazeirense buscou a bola aérea nos minutos finais

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O técnico Agnaldo Liz fez o seu dever e saiu em defesa do goleiro João Pedro, de 22 anos, que falhou nos minutos finais do empate em 2x2 com a Juazeirense, no Barradão, pela terceira rodada do Campeonato Baiano.

Segundo o comandante rubro-negro, o camisa 1 costuma ser seguro nas saídas de gol para afastar bolas vindas pelo alto – lance em que vacilou na partida desta quarta-feira (29).

“Ele tem um bom posicionamento, principalmente nas bolas alçadas na área. É uma das melhores características dele, é seguro nesse quesito. Mas também é um atleta jovem, então a gente não vai colocar toda a responsabilidade pelo resultado em cima do atleta”, disse Agnaldo Liz.

“Ele vinha bem no jogo, defendendo bem os chutes de fora da área, muito seguro com a bola nos pés, ligando a nossa transição. Tem que saber que isso faz parte do futebol. Isso acontece não só com ele, mas com todos. Serve para amadurecer”, completou.

Segundo o treinador rubro-negro, a Juazeirense apostou nos lances de bola parada na reta final do jogo e assim saiu o gol de empate: “Jogamos com uma equipe que tinha uma imposição física maior que a nossa e uma imposição também na bola aérea. Na reta final do jogo, o treinador deles colocou muitos atletas com essas características e buscou tirar proveito das bolas paradas. Num lance de infelicidade tomamos o gol”.

Com os dois gols sofridos para a Juazeirense, o Vitória chegou a quatro gols tomados em três jogos do Campeonato Baiano. Ou seja, a média é maior que um gol por partida.

O setor passou por mudanças para pegar o Cancão de Fogo. Dedé, que vinha como titular, perdeu a vaga para Carlos, que estava a serviço do time principal.

Agnaldo Liz diz que os números negativos do sistema defensivo ainda não preocupam. “Não traduzo a equipe apenas pelo número de gols tomados, ela é um conjunto de coisas. A gente também fez mais gols do que sofreu, então posso dizer que isso é algo positivo, por exemplo”, rebateu o treinador.

O Vitória, até o momento, fez cinco gols em três jogos. A média é de quase dois gols por partida. “A questão que importa agora é conseguir as vitórias. Não conseguimos hoje? Então vamos em busca do resultado no próximo. Vamos buscar lá fora os pontos. A equipe tem capacidade para isso”, disse.

“Vamos estar mais inteiros. Já são quatro jogos, então vamos estar mais preparados fisicamente, com mais ritmo, e mais entrosados. Vamos sempre fazer um jogo melhor que o anterior, essa é nossa expectativa daqui em diante”, completou. No domingo (2), o time de aspirantes do Leão visita o Vitória da Conquista, no Lomanto Júnior, às 16h.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas