'Alguém pode ter cometido um erro do outro lado', diz Trump sobre queda de avião

mundo
09.01.2020, 15:27:00
Atualizado: 09.01.2020, 15:34:45
(AFP)

'Alguém pode ter cometido um erro do outro lado', diz Trump sobre queda de avião

Autoridades americanas acreditam que iranianos derrubaram avião por engano

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que "alguém pode ter cometido um erro do outro lado" na queda do avião ucraniano em Teerã, no Irã, que deixou 176 mortos. Nesta quinta (9), na Casa Branca, ele respondeu a questões sobre o que acha que aconteceu. 

"Não quero dizer isso porque outras pessoas têm suspeitas", diz. "Alguém pode ter cometido um erro do outro lado... não o nosso sistema. Não tem nada a ver conosco", garantiu, afirmando que tem um "pressentimento terrível" sobre a queda do avião.

Fontes da comunidade de inteligência dos EUA dizem ter bastante confiança de que o avião realmente foi derrubado por um míssel do Irã, analisando "dados de satélite", segundo o The New York Times. O sistema antimíssil iraniano muito possivelmente cometeu um engano e derrubou acidentelmente o avião, na visão das agências.

O Pentágono preferiu não comentar o assunto. 

"Impossível"
O chefe de aviação do Irã, Ali Hashem afirmou que é "cientificamente impossível e ilógico" que o avião tenha sido atacado por um míssil, segundo a BBC. Representante do governo também negou para a agência estatal iraniana, a Isna, a possibilidade, afirmando que se tratam de "rumores ilógicos".

"Havia vários voos domésticos e internacionais voando na mesma altitude de 8 mil pés (cerca de 2,4 mil metros), que não pode ser alcançada de jeito nenhum", disse Hashem.

A fonte ouvida pela BBC também diz que são rumores "não precisos" a informação de que o Irã se recusou a entregar a caixa-preta dos aviões aos EUA.  A Organização da Aviação Civil do país disse na quarta que não entregaria a caixa-preta, o que é violação das regras da Convenção Internacional de Aviação Civil, acordo do qual o Irã é signatário.

A companhia Ukrainian International Airlines divulgou comunicado ontem afirmando que era "mínima" a chance de erro humano. "O aeroporto de Teerã não é nada simples. Portanto, há vários anos a UIA utiliza esse aeroporto para realizar treinamento em aeronaves Boeing 737, com o objetivo de avaliar a proficiência e a capacidade dos pilotos de atuar em casos de emergência. Segundo nossos registros, a aeronave subiu até 2.400 metros. Dada a experiência da tripulação, a probabilidade de erro é mínima. Nem sequer consideramos essa chance", afirma.

Um relatório ainda inicial do Irã apontou hoje que o avião pegou fogo antes de cair. A Ucrânia, que também vai participar da investigação, afirmou que vai fazer buscas por um possível destroço de míssil. O secretário de Segurança Nacional e Defesa do país, Oleksiy Danilov, afirmou que os rumores indicam que fragmentos de um míssel Tor, fabricado pela Rússia, um sistema usado pelo Irã, foi achado no local da queda. 

Outras possibilidades que o país analisa incluem colisão com drone ou outro objeto voador, problemas técnicos ou ação terrorista dentro da aeronave.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas