Antivacinas 'good vibes' namastê trazem muita energia pesada

flavia azevedo
18.09.2021, 09:20:00
Atualizado: 18.09.2021, 14:49:44

Antivacinas 'good vibes' namastê trazem muita energia pesada

"Tutti buona gente", mas eu desejo, com todas as minhas forças, que caiam no pente fino do passaporte de imunização

Tava conversando com minha amiga que disse "o Capão tá cheio desse povo antivacina" e eu não havia pensado nisso, mas, imediatamente, lembrei de uma cacetada de conhecidos/as "good vibes" cute-cute namastê que, simplesmente, não mencionam o fato de terem se vacinado. Não tocam no assunto, nunca tocaram. Evidentemente, podem apenas não ter publicado fotos nem dito "viva o sus fora bolsonaro", que ninguém é obrigado. Só que, tão militantes que são em várias áreas, a possibilidade de serem discretos/as, logo nesse momento, parece improvável. 

(Mostram as trilhas todas do meio do mato, dão receita dos alimentos germinados, fazem lives pra emanar energia de cura, postam fotos em lótus na praia, publicam vídeos de partos naturais, só na hora da vacina que querem privacidade? Hum.) 

Algo muito forte me diz que esse povo tá é confiando na força espiritual, no reiki, nas dancinhas pra pachamama, no veneno da rã verde, nos ásanas, na ayuaska, na acupuntura, nos óleos aromáticos, na meditação, na homeopatia, no colar de âmbar, na constelação familiar e em seilamaisoquê para enfrentar o coronavirus. Não "junto com" (o que super tá valendo) mas "em vez" da vacina. Olhe, realmente, ô inferno pra ter cão, essa pandemia. 

Eu, aqui, achando que só preciso me irritar com os declarados negacionistas de verdeamarelo (o que não é pouca coisa) e com a juventude sequelada que pensa "ni mim não pega" porque fugiu das aulas de biologia (e vamos botar festinha nos pontos de vacinação pra ver se as miséra se vacina), quando, de repente, me toco de que tem também os/as fanáticos/as das terapias integrativas, curandeirismos e existências alternativas. 

(Tô falando de fanatismo porque eu mesma gosto de algumas dessas coisas, acho ótimas e já fiz, basta colocar no lugar em que cabem.) 

"Tutti buona gente", mas eu desejo, com todas as minhas forças, que caiam no pente fino do passaporte de imunização até pra ir na esquina, ver o pôr-do-sol. Como dizia dona Celestina, "fica tudo aí com a cara de mamãe-sacode, bestando sem dar fé" e apostando que são mais phoda do que os outros, como se pairassem acima da humanidade. Eu conto ou você conta? Fato: cumprimentar o porteiro, meditar três horas por dia, tomar suco verde toda manhã, se alimentar de luz e fazer sexo tântrico não transformam ninguém em um ser "especial" nem exime de compromissos coletivos, exatamente o caso da vacinação. Muito menos, credencia a, simplesmente, discordar da ciência, do que funciona no mundo inteiro. Só não vai funcionar no seu grupo, na sua galera, na sua comunidade?

(Preciso lembrar de falar sobre isso com meu filho, reforçando a necessidade cotidiana da matemática: para entender a importância da vacina, basta ver os números diariamente publicados.) 

Egoísmo, negacionismo, ignorância, arrogância, desinformação. É só isso mesmo. São tão babacas quanto eu fui quando acreditei que vacina causava autismo e atrasei o esquema do meu filho, coitado. Por um curtíssimo espaço de tempo, claro, que eu não sou demente e fui atrás do que dizem em artigos sérios, entendi de onde vinha a afirmação absurda, e a carteira do menino tá completíssima, esperando só a do coronavirus sem a qual não tem "vida normal". 

(Vai no Lattes da sua fonte, é fácil.) 

(Eu não sou cientista, mas sei pesquisar quem é.)

Você é negacionista raribô, bê? Reveja, criatura. Estude mais um tiquinho e perceba que, por mais que a indústria farmacêutica tenha suas (muitas) questões, qualquer vacina é melhor do que a doença que se propõe a evitar. Há muito tempo. Veja as doenças que já foram erradicadas - justamente com amplas campanhas - e a volta forte de algumas que quase já haviam sumido, precisamente pelo desserviço dos movimentos antivax. Observe, também, que se o negócio que você usa, no lugar da vacina, funcionasse mesmo, não é possível que, pelo menos, a Dinamarca não aplicasse como política pública, né não? Que aquele povo é desenvolvido demais.

Pense também, caro alecrim dourado, que, mesmo que a sua existência "iluminada", seu histórico holístico, lhe dê a certeza de que a covid, se você pegar, será só uma gripezinha, nada garante que você não será vetor de contaminação para outras pessoas de saúde mais frágil que, mesmo vacinadas, poderiam agravar. Então, a sua decisão por não se vacinar vulnerabiliza aqueles que devem ser protegidos, já que uma das funções de todos os imunizantes é diminuir a circulação do vírus, sabe? Ou seja, não é uma decisão que possa ser pessoal. Mesmo que pudesse, eu perguntaria cadê o amor oceânico, a empatia, a solidariedade, a sororidade, a good vibe, o OM, a respiração abdominal, o respeito pelos mais velhos e a flexibilidade? Acabou tudo por causa do seu medinho da injeção? 

(Respiro.) 

Agora, se você for uma eu, que já anda sem saco pra presepada, lhe digo o seguinte: nada lhe impede de exigir passaporte de vacinação pra quem faz parte da sua vida. Aí, é aquela história: não tem caminhada no paraíso com guia antivax, não tem encontro de ioga sem que todo mundo apresente o certificado digital, não existe massagem nem reiki de quem vibra só no próprio umbigo. Não tem retiro, corte de cabelos, grupo de estudos, chá das cinco, ritual do útero, círculo do feminino sagrado nem caminhada da lua. Não tem consulta com homeopata nem agulhada com acupunturista sem vacina tomada. Não tem o que já não tinha nem o que poderia vir a acontecer. Não tem nada com quem se acha maior e melhor, mas é, no fim das contas, apenas contraditório, egoísta, ignorante e babaca e, portanto, tá longe, muito longe, de poder "guiar", "curar" ou ajudar alguém. 

(E outra: Vale do Pati, Chapada dos Viadeiros, Pirenópolis, Matutu, Mauá, Cumuru e nenhum outro paraíso "alternativo" desses vê minha cara tão cedo porque, agora, eu tô achando que tá tudo espesteado. Até que o contrário fique provado, sai fora. Deusémais.) 

(Também porque esses anti-vacinas "good vibes" namastê trazem muita energia pesada.) 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas