Após 0x0, Cláudio Prates cobra do Bahia 'mais vontade de fazer o gol'

e.c. bahia
07.03.2021, 19:34:00
Atualizado: 07.03.2021, 19:34:08
Bahia não jogou bem e empatou com o Vitória da Conquista (Foto: Bruno Queiroz/EC Bahia)

Após 0x0, Cláudio Prates cobra do Bahia 'mais vontade de fazer o gol'

Esquadrão não jogou bem e empatou sem gols com o Vitória da Conquista, pela 4ª rodada do Campeonato Baiano

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia não jogou bem contra o Vitória da Conquista, pela 4ª rodada do Campeonato Baiano. Em uma tarde sem inspiração, o time de transição do tricolor ficou no 0x0 com o Bode neste domingo (7), no Lomanto Júnior.

Ao fim do duelo, o técnico Cláudio Prates lamentou o empate sem gols e cobrou mais vontade do grupo para marcar. Com o resultado, o Esquadrão agora aparece na 6ª colocação na tabela do estadual, com quatro pontos.

"A gente tem que ter algo mais comportamental, principalmente na fase ofensiva, de querer finalizar, de ter realmente mais vontade de fazer o gol. Isso está faltando, e a gente precisa trabalhar isso. Com certeza, vamos ter nos próximos jogos", disse o treinador.

Cláudio reconheceu que o time apresentou dificuldades, principalmente na etapa final. "Concordo com o segundo tempo. Acho que, no primeiro tempo, a gente conseguiu controlar o jogo, fizemos todas as ações que os meninos têm feito nos jogos", comentou.

"Neste último jogo [Bahia 0 x 1 Unirb], eu estive ausente, e a gente conseguiu acrescentar muito a essa entrada de último terço no adversário, a chegada na entrelinha. Mas, infelizmente, a partir daí, realmente a gente está com dificuldade. De finalizações, de criar algum espaço que nos gere isso. Hoje, de novo, tivemos algumas chances perdidas, em um jogo difícil, um calor muito grande aqui em Conquista, e com um campo que prende muito a bola. Então nosso número de passes hoje foi muito grande. Mas, principalmente, no segundo tempo. Acho que, no primeiro tempo, a gente conseguiu controlar o jogo", continuou o técnico.

O treinador também citou a qualidade do gramado do Lomanto Júnior como dificuldade. Mas admitiu que isso não pode ser 'desculpa' e que é preciso saber se adequar.

"O campo é muito diferente do que a gente joga na Arena e do que a gente treina. Uma grama muito fofa e um calor muito grande. Mas, para mim, não tem... A gente jogou contra o Salgueiro, em um campo horroroso, e conseguiu fazer uma atuação maravilhosa na Copa do Nordeste, com uma estratégia bem montada e eles cumprindo. Eu não gosto da desculpa. Acho que a gente sempre tem que se adaptar. Cabe ao jogador adquirir um pouquinho mais de experiência e se adaptar logo ao jogo".

O comandante do time de transição falou que cobrou os jogadores pelos desempenhos nos jogos anteriores do Baianão. Antes do empate com o Vitória da Conquista, o Bahia perdeu do Unirb, em Pituaçu, por 1x0. A equipe ainda soma outra derrota, para o Juazeirense, e um triunfo, sobre o Doce Mel.

"Sabíamos dessa sequência, que seria muito difícil, principalmente com a primeira rodada da Copa do Nordeste, em termos de logística, em termos de desgaste dos meninos. Sabíamos que teríamos muito pouco tempo para treinar. E, além do mais, a situação normal de uma equipe de transição, de jovens, da questão de oscilação de um jogo para o outro. Cobrei internamente, eles sabem disso, porque nossa relação é muito sincera, em relação à evolução, que já deveria estar melhor. Aceitei um pouco as desculpas - e não gosto das desculpas - em relação ao pouco tempo que eles conseguiram trabalhar juntos. Mas, acima de tudo, já temos um tempo bom. Obviamente, todos vão ter oportunidades para, durante esses treinos, mostrar que têm condições de começar jogando o clássico", afirmou Prates.

"Tem um padrão de jogo bem definido, quem entra sabe o que vai fazer. A gente já tem isso muito alinhado, até com a equipe principal. Então, não é esse o problema. O problema realmente são alguns desempenhos, que a gente precisa que eles melhorem. E isso vem com treino, com um pouco mais de encaixe de jogo. Foi cobrado. E a gente sabe isso, internamente, a gente precisa melhorar. Estamos devendo e vamos lutar para conseguir fazer apresentações melhores. Acima de tudo, conseguir os resultados. Não podemos estar contentes fora do G4", comentou.

O técnico também bota na conta do desempenho ruim a pouca experiência da equipe. "A gente sabia dessas dificuldades iniciais, como volto a frisar, não é desculpa. Seria uma sequência muito pesada para um grupo que está se conhecendo agora. E, acima de tudo, com meninos. É difícil tu assimilar um erro de uma perda de gol ou algum passe errado com pouca experiência. Às vezes, isso gera muito tempo e o jogador não volta a ter uma atuação boa devido ao psicológico. Então a gente é sabedor disso, e vamos continuar com confiança e treinando para melhorar sempre", seguiu.

Para Cláudio, há um jeito de melhorar a qualidade do time: "Trabalho. Só existe uma forma disso. E eles estão trabalhando, estão se empenhando. Hoje mostraram isso, com calor, campo dificultando a troca de passes. Eles estão se empenhando. Então não é falta de empenho. Esses meninos ainda vão conseguir render bem. Eu espero isso nesses próximos jogos, ter um rendimento melhor".

Na próxima rodada do Baianão, o Bahia tem o clássico com o Vitória, no dia 17, às 19h30, em Pituaçu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas