Após alegar tiro acidental, jovem que matou ex é hostilizado; veja vídeo

salvador
25.09.2017, 19:26:34

Após alegar tiro acidental, jovem que matou ex é hostilizado; veja vídeo

Em depoimento, filho de PM disse ter agido em legítima defesa e contou que vendeu arma na Feira do Rolo após crime em Itapuã

Autor do assassinato da estudante Andrezza Victória Santana Paixão, 15 anos, no bairro de Itapuã, em Salvador, Adriel Montenegro dos Santos, 21, se entregou à polícia e prestou depoimento na tarde desta segunda-feira (25), alegando que o tiro que atingiu a nuca da adolescente foi sem querer.

Filho de um policial militar, ele estava com um mandado de prisão em aberto desde abril, quando o crime ocorreu, e teve a prisão temporária decretada, após ir, espontaneamente, até a sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba, acompanhado de um advogado.

Ao saber que Adriel havia se entregado, parentes e amigos da jovem foram até a sede do DHPP, para pedir justiça pela morte da adolescente. Antes de deixar o local, em um camburão, Adriel foi hostilizado e houve protesto de parentes e amigos de Andrezza, com coro de “assassino”. O CORREIO registrou o momento. Assista.

Tiro acidental e viagens
No depoimento à delegada Rosimar Malafaia, coordenadora da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico), Adriel contou que ao sair do banho se deparou com a ex-namorada apontando a arma em sua direção.

Ele disse que tentou pegar o revólver calibre 38, que já estava engatilhado, da mão da estudante, quando houve o disparo. Foragido desde o dia do crime, Adriel, que já tem passagem por porte ilegal de arma de fogo, viajou com caminhoneiros por diversas capitais durante esse período, descarregando caminhões.

Para a família, Adriel matou Andrezza por não aceitar fim de relacionamento (Foto: Reprodução)

Feira do Rolo
Durante as cerca de três horas de depoimento, Adriel informou à delegada que após o crime conseguiu vender a arma na Feira do Rolo, mesmo local onde a adquiriu, pelo valor de R$ 1 mil. 

Apesar de alegar que o tiro foi acidental, o jovem disse que fugiu porque ficou com medo de ser preso. Após prestar depoimento, o jovem seguiu para o Departamento de Polícia Técnica (DPT), onde foi submetido a exame de corpo de delito.

Segundo a assessoria da Polícia Civil, ele será encaminhado ao Complexo Policial da Baixa do Fiscal, onde ficará à disposição da Justiça até a conclusão do inquérito. Ao final da investigação, será definido se o tiro que matou Andrezza foi acidental ou não e a prisão preventiva de Adriel poderá ser decretada.

Em maio, o rapaz entrou para o Baralho do Crime da Secretaria de Segurança Pública (SSP), como o Cinco de Copas. A ferramenta tem como objetivo ajudar a localizar os criminosos mais procurados do estado, através da divulgação de fotos e informações sobre eles e os crimes cometidos.

O crime
As investigações apontam que o crime aconteceu na varanda da casa onde Adriel morava, na Rua do Bispo, em Nova Brasília de Itapuã. Andrezza teria saído da escola por volta das 17h30, acompanhada pelo ex-namorado. A estudante foi baleada na nuca e chegou a ser socorrida pelo pai de Adriel para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde morreu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas