Após BBB 21, Rodolffo cobra até R$ 700 mil por shows, enquanto Conká é rejeitada

em alta
27.10.2021, 09:38:14

Após BBB 21, Rodolffo cobra até R$ 700 mil por shows, enquanto Conká é rejeitada

Contratantes não querem ter sua imagem atrelada a 'Mamacita'

Rodolffo sempre disse que foi ao BBB 21 para se mostrar ao Brasil, para conquistar um novo público. A estratégia deu certo e o cantor de Batom de Cereja, ao lado de seu parceiro Israel, está faturando alto com a retomada dos shows.

O cachê mínimo que eles cobram, de acordo com o jornal Extra, é de R$ 300 mil. Para alguns eventos específicos, como um de réveillon, eles vão embolsar cerca de R$ 700 mil. Antes do reality, o valor de um show deles era de R$ 80 mil.

Outra forma de contratar um show deles é pagando R$ 120 mil de garantia mínima. Nesta operação, caso a venda de ingressos seja um sucesso, o valor recebido pela dupla ultrapassaria os R$ 300 mil.

Outro lado
Enquanto Rodolffo saiu por cima, apesar de ter se envolvido em diversas polêmicas durante o reality, Karol Conká não teve o mesmo perdão do público. A cancelada-mor da nação não goza mais de prestígio entre os contratantes - muito pelo contrário.

Apesar dela ter voltado a ganhar seguidores e lançado o hit Dilúvio, que virou meme pela frase "só mais um dia de luta", ela se transformou em patinho feio quando o assunto é shows e festivais.

"Os contratantes não querem associar o evento deles à imagem dela, porque têm muito medo da reação do público. Mesmo que a gente ofereça, eles nem querem saber quanto é", conta, ao Extra, um produtor. Antes da pandemia e do cancelamento os shows de Karol Conká custavam R$ 40 mil.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas