Ar-condicionado de carro transmite coronavírus?

coronavírus
09.04.2020, 10:50:46
Atualizado: 09.04.2020, 10:55:09

Ar-condicionado de carro transmite coronavírus?

Métodos de limpeza utilizados no mercado previnem doenças respiratórias; especialistas explicam como eliminar riscos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ar-condicionado não é suficiente para "filtrar" as partículas do novo coronavírus, conforme estudos preliminares. Mas especialistas recomendam a correta higienização do ar-condicionado automotivo e até manter os vidros um pouco abertos para evitar circulação do vírus dentro do veículo.

Limpezas como a oxi-sanitização evitam doenças respiratórias. É o que explica Pedro Valencio, coordenador de suporte ao cliente aftermarket da Delphi Technologies, fabricante de ar-condicionados para o mercado automotivo. "Desinfetar e fazer a higienização do sistema de ar-condicionado é importante para prevenção contra micro-organismos", frisa.

A higienização do ar-condicionado, no entanto, deve ser feita por profissionais capacitados, "preferencialmente indicados pelo fabricante e equipados para limpar dutos e saídas (difusores) de ar, caixa de ar com o ventilador e evaporador e substituir o filtro de cabine", aponta o professor Clodoaldo Carvalho Filho, professor do departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Na oxi-sanitização, a limpeza é feita com máquina industrial. "O produto, como se fosse um aerossol, fica circulando e descontamina ar-condicionado, bancos, carpete e dutos", diz Dionísio Figueiredo, proprietário da Nevada. Além da troca de filtro, deve ser feita a limpeza mecânica interna dos componentes. "Esses sprays contém substâncias bactericidas e/ou fungicidas que matam os micro-organismos, algumas até aromatizam temporariamente o sistema e a cabine, mas não removem a matéria orgânica e inorgânica, como fibras, fumos, poeira etc., aprisionada nos dutos, na caixa de ar e no filtro de cabine", alerta o professor Clodoaldo.

O preço médio de uma higienização de ar-condicionado automotivo na Capital é de R$ 70; a troca de filtro pode ser cobrada por fora, custa cerca de R$ 30. Sócia-proprietária da Multi Ar, Giovanna Stadnick avisa que o serviço dura no máximo 30 minutos. "A higienização básica consiste na troca do filtro antipólen mais um produto anti-bactérias, ácaros e fungos", acrescenta.

Em geral, recomenda-se a higienização do ar-condicionado a cada seis meses, mas pode variar de acordo com o veículo. Por exemplo, o técnico Jonas Ribeiro, 39, que usa o Palio Weekend para visitar clientes, costuma fazer o serviço de três em três meses na Multi Ar. "Rodo bastante e uso o ar-condicionado constantemente, então sempre estou revisando o filtro, que é o mais importante para um rendimento melhor. Você sente que fica até mais geladinho."

Agora, para a higienização ser efetiva mesmo é preciso incluir a cabine de passageiros, com a mesma frequência da limpeza do sistema de ar-condicionado, completa Clodoaldo.

A Associação Brasileira de Ar Condicionado, Refrigeração, Ventilação e Aquecimento (Abrava) determina, para a garantia do ar respirado, quatro itens fundamentais: renovação do ar; filtragem; controle de temperatura e umidade; e monitoramento da qualidade do ar.

Higienização

  1. Primeiro, leia sobre o uso e a manutenção do sistema de ar-condicionado no manual do usuário. "O manual traz orientações do fabricante para assegurar disponibilidade e correto funcionamento do sistema, mantendo a garantia do veículo", reforça o professor da UFC Clodoaldo Carvalho Filho;
  2. Verifique o filtro de cabine no sistema de ar-condicionado a cada troca de óleo (cinco mil km) para evitar saturação e acúmulo de bactérias;
  3. Faça a higienização com profissional capacitado a cada seis meses ou de acordo com fabricante, modelo e uso do carro;
  4. Lembre-se, o filtro não retém o novo coronavírus. "Apesar de o filtro ser construído de um material sintético e que tem a capacidade de reter micro-organismos, como o coronavírus é um problema muito novo, não", aponta Pedro Valencio, da Delphi;
  5. Lave também bancos, teto, painel, cinto e tapetes.

Dicas

  • Uso diário
  1. Ligue o ar-condicionado com o termostato (controlador) ajustado na temperatura mais quente possível e o ventilador em velocidade máxima por cinco ou mais minutos antes de sair;
  2. Mantenha os vidros um pouco abertos e o ar-condicionado na temperatura mais fria, utilizando a ventoinha interna com menos velocidade.
  • Carro parado

Se você não estiver rodando com o carro, dê partida no veículo a cada três dias para ligar o ar-condicionado. "Essa ação ajuda a evitar algum tipo de oxidação nas placas internas dos compressores, levando em consideração que o óleo não está sendo movimentado", orienta o coordenador da Delphi Pedro Valencio.

Oficina pode funcionar?
Oficinas e concessionárias exclusivamente para serviços de manutenção e conserto em veículos estão autorizadas a funcionar, segundo decreto Nº 33.523. Apesar disso, o proprietário da Nevada, Dionísio Figueiredo, conta que o movimento caiu muito. "Manter a loja aberta nesta situação de pandemia é um serviço importante."

Matéria publicada originalmente no jornal O Povo, parceiro do CORREIO através da Rede Nordeste.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas