Atropelador acusado de matar bebê pretendia fugir do Brasil, diz polícia do Rio

brasil
30.01.2018, 20:15:31
Atualizado: 30.01.2018, 20:19:30
(Foto: AFP)

Atropelador acusado de matar bebê pretendia fugir do Brasil, diz polícia do Rio

Devido a suspeita, a polícia pediu e a Justiça concedeu a apreensão do passaporte de Antonio de Almeida Anaquim

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O administrador de empresas Antonio de Almeida Anaquim, de 41 anos, que na noite de 18 de janeiro atropelou 18 pessoas e matou a bebê Maria Louize Araújo de Azevedo, de 8 meses, no calçadão da Avenida Atlântica, em Copacabana (zona sul do Rio), cogitava fugir do Brasil, afirma a Polícia Civil do Rio de Janeiro. Devido a suspeita, a polícia pediu e a Justiça concedeu nesta terça-feira, 30, a apreensão do passaporte do atropelador.

O delegado Gabriel Ferrando, da 12ª DP (Copacabana), que investiga o caso, não informou qual seria o destino de Anaquim. Em entrevista à TV Globo, ele contou já ter feito contato com o advogado de Anaquim, que teria se comprometido a entregar o passaporte de seu cliente na quarta-feira, 31. Apesar da suspeita, a polícia não pedirá à Justiça a prisão do administrador de empresas. O inquérito está "muito avançado", afirmou Ferrando, sem precisar quando deve concluir a investigação.


Anaquim sofre de epilepsia e alegou ter tido uma crise que causou o acidente. Dirigindo um carro Hyundai HB20, ele invadiu a ciclovia e o calçadão e só parou sobre a areia, na Avenida Atlântica, na altura da Rua Figueiredo de Magalhães. Dezoito pessoas se feriram. Maria Louize foi a única que morreu.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas