Bahia bate recorde de pontuação do 6º colocado no Brasileirão

e.c. bahia
03.10.2019, 17:34:00
Atualizado: 03.10.2019, 17:36:04
Time do Bahia treina no Fazendão (Felipe Oliveira/EC Bahia)

Bahia bate recorde de pontuação do 6º colocado no Brasileirão

Tricolor tem 37 pontos após 22 rodadas; Série A 2019 registra melhor G6 e pior Z4 da era dos pontos corridos com 20 clubes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia bateu um pequeno recorde no Brasileirão. Desde 2006, quando o campeonato passou a ter 20 times na disputa de pontos corridos, nenhum 6º colocado tinha chegado aos 37 pontos após a 22ª rodada.

As melhores campanhas, até então, haviam sido do Vitória, em 2008, e do Grêmio, em 2016, quando ambos fizeram 36 pontos a essa altura do campeonato. O tricolor, ao ganhar do Avaí na segunda-feira (30), por 2x0, alcançou os 37 e chegou à melhor campanha de um clube na 6ª posição.

Apesar do bom desempenho, a vaga na Libertadores 2020 está longe de ser garantida. De 2006 para cá, apenas 5 dos 13 times que ocupavam a 6º colocação na 22ª rodada chegaram, de fato, ao top 6 ao fim do campeonato. São eles: Atlético-MG em 2018 (tinha 35 pontos na 22ª e terminou em 6º, com 59 pontos); Cruzeiro em 2017 (31 pontos na 22ª; 5º no fim, com 57); Fluminense em 2014 (35 pontos na 22ª; 6º no fim, com 61) e em 2011 (34 pontos na 22ª; 3º no fim com 63); e Flamengo em 2007 (33 pontos na 22ª; 3ª no fim, com 61).

O ideal para o Bahia, então, é somar pelo menos 58 pontos, a média dos clubes que ficaram em 6º nas 13 edições do formato atual. Quem somou menos na colocação foi o Internacional, em 2008, quando terminou o Brasileirão em sexto com 54 pontos. Já quem mais suou a camisa para alcançar a posição foi o Fluminense em 2014, com 61 pontos. Nas duas edições, porém, só os quatro primeiros se classificavam à Libertadores.

Assim, como o Bahia já tem 37 pontos, precisa de mais 21 para chegar aos 58. Lembrando que há 48 pontos disponíveis, faltando 16 jogos.

Melhor G6, pior Z4
Outra marca quebrada em 2019 no Brasileirão vem do fim da tabela. Como o topo tem somado mais pontos, o outro lado tem conseguido bem menos. 

Com a realização na quarta-feira (2) dos jogos Chapecoense 0x1 Corinthians e Atlético-MG 1x2 Vasco, atrasados pela 21ª rodada, todos os times voltaram a ter a mesma quantidade de partidas. E chama a atenção o pior desempenho do 17º colocado, que abre o Z4, desde 2006.

Este ano, o Cruzeiro ocupa a posição com 19 pontos - a mesma quantidade do CSA, 18º. Ano passado, até a 22ª rodada, quem estava em 17º era a Chapecoense, com 24 pontos, o mesmo somado em 2016 pelo Internacional, em 2009 pelo Náutico e em 2006 pelo Flamengo. O pior desempenho de um clube que inaugura o Z4 tinha sido até então do Palmeiras, em 2012, quando tinha 20 pontos.

6º e 17º colocados após a 22ª rodada desde 2006:
2006 - Figueirense (6º com 32 pontos) e Flamengo (17º com 24 pontos)
2007 - Flamengo (6º com 33 pontos) e Athletico-PR (17º com 23 pontos)
2008 - Vitória (6º com 36 pontos) e Náutico (17º com 22 pontos)
2009 - Atlético-MG (6º com 34 pontos) e Náutico (17º com 24 pontos)
2010 - Internacional (6º com 35 pontos) e Atlético-MG (17º com 21 pontos)
2011 - Fluminense (6º com 34 pontos) e Atlético-MG (17º com 21 pontos)
2012 - Internacional (6º com 35 pontos) e Palmeiras (17º com 20 pontos)
2013 - Atlético-MG (6º com 31 pontos) e Flamengo (17º com 22 pontos)
2014 - Fluminense (6º com 35 pontos) e Botafogo (17º com 22 pontos)
2015 - Palmeiras (6º com 34 pontos) e Avaí (17º com 23 pontos)
2016 - Grêmio (6º com 36 pontos) e Internacional (17º com 24 pontos)
2017 - Cruzeiro (6º com 31 pontos) e Chapecoense (17º com 25 pontos)
2018 - Atlético-MG (6º com 35 pontos) e Chapecoense (17º com 24 pontos)
2019 - Bahia (6º com 37 pontos) e Cruzeiro (17º com 19 pontos)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas