Bahia quita dívida de R$ 21 milhões com a BWA: 'Não devemos mais nada', diz Bellintani

e.c. bahia
21.05.2022, 07:00:00
Desde 2019 o Tricolor tinha 10% da receita sequestrada pela Justiça (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Bahia quita dívida de R$ 21 milhões com a BWA: 'Não devemos mais nada', diz Bellintani

Débito foi contraído em 2011, durante a gestão de Marcelo Guimarães Filho

Além de firmar um novo acordo com a Justiça do Trabalho e impedir o bloqueio de receita e penhora de bens para o pagamento de dívidas trabalhistas, o Bahia deu outro passo importante no pagamento das suas dívidas. 

De acordo com Guilherme Bellintani, presidente do clube, o Esquadrão chegou a um acordo e quitou o endividamento que tinha com a empresa BWA, que prestou serviço de venda de ingressos e operação de catracas do clube. O total da dívida era de R$ 21 milhões. 

“Essa semana nós assinamos o acordo da BWA. Desde setembro de 2019 o clube tem 10% das suas receitas retidas por decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, por conta de uma confissão de dívida firmada em 2011, pelo antigo dirigente do clube [Marcelo Guimarães Filho]. Essa confissão de dívida foi assinada e resultou em um processo de mais R$ 20 milhões”, disse Bellintani. 

“Nós tivemos R$ 21 milhões retidos desde setembro de 2019 até semana passada. Portanto, o clube mesmo na pandemia, com toda dificuldade, sem receita, tinha, a cada R$ 100 que entrava, R$ 10 retidos para pagar essa dívida de 2011. Juntou-se R$ 21 milhões, poderia juntar mais, pois a dívida é maior, mas realizamos um acordo, quitamos completamente a dívida do BWA. Fora o trabalhista, o com o Opportunity e o débito fiscal, era o maior processo do clube. Conseguimos, com a ajuda de todos, quitar essa dívida histórica. Não devemos mais nada à BWA”, completou.

Venda do Fazendão
Guilherme Bellintani explicou também sobre a situação do Fazendão. De acordo com ele, o antigo CT da equipe recebeu uma nova oferta de compra e a negociação está em fase de troca de minutas. A proposta atual é maior do  que a de R$ 22 milhões, que foi aprovada pelos sócios em julho do ano passado. 

“A venda do Fazendão está bem avançada, temos tomado todo o cuidado, estamos na fase de troca de minutas. Recebemos uma proposta que foi avaliada pela assembleia de sócios, foi aprovada, e depois recebemos uma oferta ainda melhor e é essa proposta que deve ser efetivada. Está em discussão contratual”, explicou o dirigente. 


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas