Bahia se isola como pior defesa do Brasileirão da Série A

e.c. bahia
29.11.2020, 19:25:00
Atualizado: 29.11.2020, 19:26:53
Lucas e Juninho fazem parte do sistema defensivo (Felipe Oliveira/ EC Bahia)

Bahia se isola como pior defesa do Brasileirão da Série A

Sistema defensivo tem sido motivo de preocupação para o tricolor

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A boa recuperação que o Bahia teve no Campeonato Brasileiro ficou para trás e o momento agora é de muito cuidado. Contra o São Paulo, o tricolor voltou a ser derrotado (3x1) e viu a distância para a zona de rebaixamento cair para apenas quatro pontos – a diferença pode ficar ainda menor, pois o Vasco, primeiro time no Z4, entra em campo nesta segunda (30), contra o Ceará, dentro de casa.

Além dos resultados ruins, a defesa tricolor também voltou a ser motivo de preocupação. Nos últimos dois jogos, o time sofreu sete gols (quatro contra o Bragantino e três diante do São Paulo), desempenho que deixa a equipe como o sistema defensivo mais vazado da Série A.

Agora, o Esquadrão soma 37 gols sofridos em 23 partidas e está isolado na estatística negativa. O Goiás, lanterna do Brasileiro e que já atuou na rodada, aparece na segunda colocação, com 35.

“A gente sabe, a cobrança é interna, mas não podemos falhar do jeito que falhamos. Se a gente quer chegar em cima na tabela, brigar por Sul-Americana, não pode ter a postura de tomar gol do jeito que a gente tomou. Neutralizamos as principais jogadas do adversário, mas em situações mais simples não conseguimos e falhamos”, analisou o auxiliar Cláudio Prates logo após o revés para os paulistas.

Problemas
Para piorar a situação, o Bahia vive um momento de perda de peças na defesa. Entre os zagueiros, por exemplo, o clube contava com apenas quatro opções após os empréstimos de Ignácio, ao CSA, e Wanderson, para o Fortaleza. Sem poder contratar, a saída para compor o quadro foi reintegrar o prata da casa Everson, de 23 anos, que estava fora dos planos.

Mesmo assim, perante o São Paulo, o técnico interino Cláudio Prates só teve duas opções, já que Lucas Fonseca está machucado e Anderson Martins estava suspenso. O time ficou sem nenhum zagueiro de origem no banco e teria que improvisar em caso de necessidade.

Além disso, os casos de covid-19 deixaram jogadores importantes fora de combate. Na lateral esquerda, Zeca e Juninho Capixaba estão afastados. Já no meio-campo, a baixa é o volante Ronaldo.  Pelo mesmo motivo, o goleiro Mateus Claus segue fora.

O problema tem causado uma grande rotatividade no sistema defensivo. Com exceção do goleiro Douglas, praticamente todos os jogadores foram testados. Antes improvisado na lateral direita, Ernando voltou a jogar na zaga, enquanto Juninho já fez parceria com Lucas Fonseca, Anderson Martins e o próprio Ernando. 

Na terça (1), o Bahia tem uma decisão pela Sul-Americana. Em Santa Fe, na Argentina, encara o Unión pelo jogo de volta das oitavas de final. Anderson Martins e Gilberto - que também estava suspenso pelo terceiro amarelo -, voltam a ficar à disposição.

Mano Menezes e os auxiliares James Freitas e Sidnei Lobo, infectados com covid-19, seguem isolados e não viajam para o país vizinho.

Como venceu o jogo de ida por 1x0, na Fonte Nova, o Bahia tem a vantagem e do empate. Pode perder por um gol de diferença, desde que balance a rede rival. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas