Bahia x Athletico-PR é a peleja do diabo com o dono do céu

paulo leandro
22.06.2022, 05:07:00

Bahia x Athletico-PR é a peleja do diabo com o dono do céu

Deveria o presidente baiano da CBF, Ednaldo Rodrigues Gomes, acautelar-se, no sentido de recomendar arbitragens pautadas na razoabilidade, para os duelos Bahia x Athletico do Paraná.

Não se pode pecar por ingenuidade, formando crença de o futebol decidir-se apenas pelo enfrentamento dos times em campo, lembrando ter as “costas quentes” o tinhoso adversário.

Ninguém quer vantagens ao Bahia, mas pede-se o cuidado de orientação segura aos homens do apito e do VAR a fim de evitar repetir a sistemática roubalheira na reta final da Série A de 2021, levando ao descenso, em garfadas escandalosas.

Conhecendo, como conheço de perto, a capacidade de trabalho de Ednaldo, desde quando organizava com excelência nossa copa do mundo, o Intermunicipal, provavelmente tenha sido desnecessário este alerta, mas é melhor errar por excesso.

Na nossa dissertação de mestrado, apresentada em 2003, com orientação de Elias Machado, ficou demonstrado o quanto o “futebol é política”, ao analisarmos episódios relacionados a dirigentes.

Não seria mais prudente ao presidente Guilherme Bellintani descer ao vestiário e dar a preleção hoje? Trata-se de jogo perigoso, em razão da força extra-campo do visitante.

Como escreveu minha amiga Mery Bahia (Bahia!), ao contribuir com este texto:

“Um ditado popular diz que política, futebol e religião não se discutem. Mas o Athletico Paranaense embolou o meio de campo, quando numa decisão inusitada e discutível, coisa que não aconteceu nem durante a ditadura militar, sua direção decretou e os atletas concordaram em entrar em campo com a camisa do time exibindo o nome do então candidato Bolsonaro. Estamos falando de um time de massa, uma das maiores torcidas do Paraná. O clube que carrega em sua camisa o peso da campanha de um político, carrega junto também o peso dos seus feitos e malfeitos ao longo de sua história. Então, é preciso discutir política e futebol, sim.

O Athletico Paranaense apoia as agressões aos indígenas, negros, mulheres e LGBTQIA+?

Apoia o descaso com a saúde e as mais de 680 mil mortes por covid-19?

Apoia também os ataques à cultura e às artes?

Apoia passar a boiada com os desmatamentos e incêndios na Amazônia e Pantanal?

Apoia a inflação, o desemprego e a fome?

Apoia chamar o indigenista Bruno e o jornalista Dom de aventureiros?”

Mônica Bichara, em sua habitual clarividência, “incluiria as narrativas de ódio a negros, gays, nordestinos, mulheres.... incentivando uma onda de violência no país; e a tragédia na economia, desencadeando uma escalada de preços altos em itens fundamentais como gás de cozinha, combustíveis... o resultado foi a fome, milhões de famintos de volta às ruas”.

Há quem discorde e é preciso agradecer a quem diverge, pois só há di-álogo (troca de razões a dois) com esta capacidade empática de assimilar o contraditório, como generosamente ensinam meus bons vizinhos da lista “Resenha Amazônia” ao contribuírem com questionamentos, destacando as ressalvas à expressão “genocida” na narrativa sobre a gestão da pandemia.

Não basta um bom desempenho do Esquadrão: a galera tem de marcar em cima o homem do apito e o VAR desde o cara ou coroa.

Ah, o título desta coluna foi roubartilhado de um álbum maravilhoso de Zé Ramalho.

Paulo Leandro é jornalista e professor doutor em Cultura e Sociedade.

 

Os textos publicados na seção de Opinião não refletem, necessariamente, a opinião do jornal

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas