Barro Branco: duas tragédias e 25 mortos em um intervalo de 20 anos

clarissa pacheco
16.08.2020, 05:00:00

Barro Branco: duas tragédias e 25 mortos em um intervalo de 20 anos

Conjunto habitacional para vítimas da chuva em Salvador foi entregue esta semana pela prefeitura no local

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nesta última semana, mais especificamente na terça-feira, dia 11, moradores da comunidade do Barro Branco, na Avenida San Martin, em Salvador, receberam moradias do primeiro conjunto habitacional dedicado especificamente para vítimas da chuva na capital baiana. Os apartamentos foram erguidos no mesmo local onde as pessoas já viviam anteriormente e nos prédios da Vila Barro Branco, agora, viverão sobreviventes.

Quem mora por ali já presenciou tragédias - e escapou delas, embora tenha visto amigos e familiares partirem. A tragédia mais recente, em 2015, matou 11 pessoas e deixou dois feridos e dezenas de desabrigados. Foi na madrugada do dia 27 de abril, há cinco anos, que a encosta não suportou o volume de chuva e deslizou, caindo sobre casas de famílias que viviam ali há muitos anos. Mas ela já tinha caído antes, em abril de 1996.

Naquele dia - e na semana que se seguiu -, o CORREIO acompanhou o resgate das vitimas que sobreviveram, o desespero de quem perdeu entes queridos e até de quem já tinha visto aquele filme uma oitra vez. A tragédia do Barro Branco de cinco anos atrás não é a única no local registrada no histórico de acidentes da Defesa Civil de Salvador (Codesal).

Muitas das pessoas que perderam suas casas e seus familiares já tinham, elas próprias presenciado a tragédia anterior. No dia 21 de abril de 1996, o barranco desabou matando 14 pessoas e deixando cinco feridos. Entre as vítimas de 2015 estavam inclusive parentes de alguns dos que morreram 19 anos antes.

A tragedia fotografada por Antenor Pereira para o CORREIO, há 24 anos, mostra construções ainda mais precárias do que as construções que desabaram em 2015. No histórico de acidentes da Codesal consta que a sobrecarga no terreno e a qualidade construtiva precária foram as causas do deslizamento de terra daquele dia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas