'Botava esses vagabundos na cadeia, começando no STF', diz Weintraub em vídeo

brasil
22.05.2020, 17:57:28
Atualizado: 22.05.2020, 18:16:32
(Foto: Reprodução)

'Botava esses vagabundos na cadeia, começando no STF', diz Weintraub em vídeo

Comentário do ministro da Educação ocorreu em reunião ministerial de 22 de abril que STF liberou

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que quer colocar na cadeia os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) na reunião ministerial de 22 de abril, que teve o conteúdo revelado pelo ministro da Corte, Celso de Mello, nesta sexta-feira (22). "Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF", disse ele, após citar os problemas que teve desde que aceitou assumir o comando da educação.

Ele explicou o motivo para compor o governo, que seria "a luta pela liberdade" e "acabar com essa porcaria, que é Brasília", "um cancro de corrupção, de privilégio", além de ter lamentado as dificuldades que estaria enfrentando. As informações são do G1.

“A gente tá perdendo a luta pela liberdade. É isso que o povo tá gritando. Não tá gritando pra ter mais Estado, pra ter mais projetos, pra ter mais... o povo tá gritando por liberdade, ponto. Eu acho que é isso que a gente tá perdendo, tá perdendo mesmo. A ge... o povo tá querendo ver o que me trouxe até aqui. Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”, disse ele, como mostra a gravação da reunião ministerial citada pelo ex-ministro Sergio Moro como prova de que Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal do Rio.

A gravação da reunião foi incluída no inquérito aberto pelo STF, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), para investigar a tentativa de interferência do presidente na PF.

Em 24 de junho, quando anunciou a demissão do Ministério da Justiça, Moro disse que Bolsonaro tentou interferir na corporação. Segundo Moro, a gravação da reunião ministerial de 22 de abril comprova a tentativa do presidente da República.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas