Braga Netto diz que ameaça às eleições é 'invenção'; Lira também nega

brasil
22.07.2021, 09:40:00
Atualizado: 22.07.2021, 10:44:35
(Arquivo ABr)

Braga Netto diz que ameaça às eleições é 'invenção'; Lira também nega

Presidente da Câmara diz que não recebeu nenhuma ameaça

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ministro da Defesa, general Braga Netto, afirmou que é uma "invenção" a reportagem que afirma que ele enviou um recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), condicionando a eleição de 2022 ao voto impresso e "auditável". Ele foi questionado ao chegar ao ministério na manhã desta quinta-feira (22).

Em um evento, ele falou do tema. "Hoje foi publicada uma reportagem na imprensa que atribui a mim mensagens tentando criar uma narrativa sobre ameaça feitas por interlocutores a presidente de outro poder. O Ministro da Defesa não se comunica com os presidentes dos poderes por meio de interlocutores. Trata-se de mais uma desinformação que gera instabilidade entre os poderes da República em um momento que exige a união nacional", disse.

"O Ministério da Defesa reitera que as Forças Armadas atuam sempre e sempre atuarão dentro dos limites previstos na Constituição", completou o ministro, que afirmou ainda que a discussão sobre o voto impresso é "legítima" e cabe ao Congresso. "A discussão sobre o voto eletrônico-auditável por meio de comprovante impresso é legítima, defendida pelo governo federal e está sendo analisada pelo parlamento brasileiro, a quem compete decidir sobre o tema".

O próprio Lira disse ao blog de Ana Flor, do G1, que é "mentira" que tenha recebido qualquer tipo de recado do ministro falando sobre as eleições de 2022 e o voto impresso, projeto que tramita em uma comissão da Casa e deve ser derrotado.

Segundo a reportagem, quando Braga Netto enviou o recado, estava acompanhado dos comandantes da Aeronáutica, Marinha e Exército. A conversa foi relatada por um interlocutor.

Isso aconteceu no último dia 8, segundo a matéria. Nesse mesmo dia, o presidente Bolsonaro, que tem visto a popularidade cair em levantamentos sobre a disputa de 2022, declarou publicamente que sem voto impresso não aconteceria eleição.

O voto impresso é uma das principais causas atualmente defendidas por Bolsonaro e seus aliados, que questionam a lisura do atual processo, pelo qual o presidente foi eleito várias vezes na sua vida política. Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contestam o presidente e dizem que o voto eletrônico é seguro e também auditável.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas