Brasil tem triste sina de ataques em escolas

entrelinhas
08.05.2021, 07:00:00

Brasil tem triste sina de ataques em escolas

Relembre notícias que foram destaque na semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nações com tradição bélica como os Estados Unidos têm um histórico sinistro de ataques em escolas, mas o Brasil carrega essa mesma sina. O caso mais recente no país aconteceu na terça, 04, em Saudades, a 446 Km de Florianópolis (SC). Um jovem de 18 anos, armado com um facão e uma adaga, invadiu o CEI (Centro de Educação Infantil) Pró-Infância Aquarela, para crianças de zero a 3 anos, e matou três bebês na faixa dos 2 anos  e duas professoras, uma delas de apenas 20. Depois, tentou se matar, ferindo-se no pescoço com a mesma arma. 

A polícia afirma que o adolescente passava por problemas psicológicos e estava torturando animais. A família, de origem humilde, não  percebeu a mudança de comportamento do jovem, que  não queria mais ir à escola porque alegou sofrer bullying. 

Internado em estado grave após o atentado, o rapaz saiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nesta sexta, 07, e foi transferido para uma enfermaria. Um quarto bebê, de 1 ano e 8 meses, que sobreviveu mas ficou bastante ferido no ataque, já teve alta.

Relatos tristes se somam em cada um dos atos violentos  já ocorridos em escolas brasileiras. O caso mais famoso no país ainda é o de Realengo, no Rio, em 2011, com saldo de 12 mortos e 13 feridos, todos estudantes. 

Polícia isolou a área da creche após o ataque

(Foto: Redes Sociais)

Mas, no  avançar dos anos 2000, foram pelo menos 10 atentados registrados e amplamente divulgados, suscitando discussões sobre a saúde mental de crianças e adolescentes e o quanto o bullying é nocivo. Entre 2017 e 2019, ocorreu mais de um atentado por ano - em 2017 foram dois -, mas há registros desde 2002, quando um adolescente de 17 anos matou duas colegas no colégio Sigma, em Jaguaribe, na orla de Salvador. Ele atirou nas meninas na sala de aula e depois se entregou à polícia.

Embora tenham ocorrido situações como a da creche de Janaúba (MG), em 2017, onde o autor do ataque que vitimou oito crianças e uma professora foi o segurança da instituição, a maioria dos atentados em escolas são praticados por adolescentes ou jovens adultos com vínculo com as unidades atacadas - alunos ou ex-alunos - e histórico de abusos psicológicos sofridos nesses locais.

No caso da creche de Saudades, cidade de 9,8 mil habitantes onde todo mundo se conhece, o agressor não era ex-aluno, mas tinha em comum com todos os outros casos, inclusive com o do vigia de Janaúba, o fato de estar vivendo um processo de imenso sofrimento psíquico.

Com a pandemia, aumentou o interesse  em tirar o véu e derrubar os tabus sobre as doenças psicológicas. Diante de mais uma tragédia em uma escola, com vítimas ainda bebês e um agressor tão jovem, já passou da hora das doenças psicológicas entrarem na pauta também da saúde pública. 

Outros atentados em escolas brasileiras:

*Suzano, 2019  - Um adolescente de 17 anos e um homem de 25 invadiram a Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP) e mataram sete pessoas, cinco estudantes e duas funcionárias. Os dois autores do atentado eram ex-alunos;

*Medianeira, 2018 - Um adolescente de 15 anos invadiu o Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira (PR) e atirou nos colegas de classe. Duas vítimas ficaram feridas;

*Janaúba, 2017 - Oito crianças e uma professora morreram após um segurança colocar fogo no Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, em Janaúba (MG);

*Goiânia, 2017 - Um estudante de 14 anos atirou em colegas no colégio Goyases, escola particular de Goiânia (GO), matando dois colegas e ferindo outros quatro

*Santa Rita, 2012 - Dois adolescentes de 16 e 13 anos promoveram um tiroteio na Escola Estadual Enéas Carvalho, em Santa Rita, na Grande João Pessoa (PB). Três estudantes ficaram feridos

*Realengo, 2011 - Um ex-aluno de 23 anos invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo (RJ), matou 12 crianças e feriu outras 13.

*Corrente, 2011 - Um adolescente de 14 anos matou um colega com golpes de faca em Corrente (PI). O agressor alegou que sofria violência física e verbal diariamente da vítima.

*São Caetano do Sul, 2011 - Um estudante de 10 anos da Escola Municipal Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul (SP), atirou na professora e depois se matou. Ela sobreviveu.

*Taiúva, 2003 - Um ex-aluno atacou a Escola Estadual Coronel Benedito Ortiz, em Taiúva (SP), ferindo cinco alunos, uma professora e dois outros funcionários. As vítimas sobreviveram, mas um dos estudantes ficou paraplégico.

*Salvador, 2002 - Um adolescente de 17 anos matou duas colegas com um revólver .38 dentro da sala de aula, no colégio Sigma, em Salvador (BA). Segundo testemunhas, o ato foi uma vingança porque as duas vítimas teriam dado uma nota baixa para o agressor em uma gincana escolar. O revólver usado pelo adolescente era do pai dele, um agente de segurança pública

Também aconteceu essa semana...

Estudantes precisam medir a temperatura antes de entrar na escola

(Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Escolas de Salvador reabrem com poucos alunos

As aulas presenciais em Salvador retornaram na segunda, 03, mas 15 escolas particulares optaram por manter o ensino remoto até o 2º semestre. Na rede pública, segundo a Secretaria Municipal de Educação (Smed), a frequência de alunos no primeiro dia ficou bem abaixo do esperado e das 433 escolas da rede, ao menos 50 não registraram presença de alunos.

Bahia agora tem três vacinas

Mais lotes de vacina foram entregues em Salvadorna terça, 04, incluindo do laboratório Pfizer

(Foto: Nara Gentil/CORREIO)

O primeiro lote de vacina da Pfizer enviado à Bahia chegou a Salvador na terça, 04. Foram mais de 20 mil doses que ficaram na capital. Segundo o Ministério da Saúde, o imunizante da Pfizer será usado apenas nas capitais por conta da necessidade das ampolas serem conservadas em baixíssimas temperaturas. Agora, a Bahia  conta com três vacinas contra a covid-19: CoronaVac, Oxford/AstraZeneca e Pfizer/BioNTech. 

Luto no humor brasileiro

Paulo Gustavo era um dos mais bem-sucedidos humoristas do país

(Foto: Divulgação/TV Globo)

O humorista Paulo Gustavo morreu, aos  42 anos, na terça, 04, por  complicações da covid-19. O ator  estava internado  desde o dia   13 de março, no Rio, e chegou a fazer Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO) para ajudar na recuperação de seus pulmões. O falecimento de Paulo Gustavo gerou grande comoção entre seus colegas de profissão e fãs. Nas redes sociais, ao longo de toda a  semana, milhares de memes, cards e depoimentos lembravam sua trajetória e a impagável personagem Dona Hermínia, da franquia de filmes Minha Mãe é uma Peça.

Ministro nega taxação de livros

Paulo Guedes, ministro da Economia

(Foto: Isaac Nóbrega/PR)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou, na terça-feira, 04, durante audiência pública na Câmara Federal, que nunca disse que pretendia 'taxar os livros'. Segundo ele, a CBS, alíquota geral de 12% que incidiria sobre os livros conforme a proposta da sua equipe econômica, não se trata de imposto, mas de  'contribuição'. Acontece que no Código Tributário Nacional (CTN), a contribuição é descrita como um tributo (ou seja, imposto) com destinação específica. De acordo com o tributarista Hugo Machado Segundo, que participou essa semana do Podcast do PublishNews, site especializado no mercado editorial, a diferença entre os tipos de tributos, como impostos, taxas e contribuições, perderam o sentido e o objetivo de Guedes é taxar, mas usando outro nome para burlar a Constituição, que garante a imunidade tributária do livro. 

Austrália blinda fronteiras

Com casos de covid-19 zerados, Austrália já teve até shows em março desse ano

(Foto: Reprodução/Facebook)

O governo australiano decidiu manter as fronteiras internacionais do país fechadas até 2022 devido às  incertezas sobre vacinas e o surgimento das novas variantes do novo coronavírus, disse o ministro das Finanças  Simon Birmingham, na quinta, 06. A Austrália fechou suas fronteiras internacionais em março de 2020 para conter o vírus.

O que os famosos disseram

Carolina Ferraz tem 53 anos e duas filhas

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

"Eu sabia das dificuldades de conseguir engravidar na minha idade. Não foi simples, mas também não foi sofrido. Não foi um drama. Eu entendi como parte do processo de alguém que tenta engravidar na maturidade, Carolina Ferraz

A atriz de 53 anos contou, em entrevista, como foi o tratamento para engravidar da filha caçula, Izabel, quando já estava com 46 e era mãe de uma moça de quase 20. Segundo Carolina, muitas pessoas, na época, até insinuaram, mas evitaram comentar diretamente sobre a idade da atriz e o desejo dela em ser mãe novamente com mais de 40 anos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas