Buraco em asfalto é coberto com cachorro morto dentro no interior de Goiás

em alta
22.03.2022, 21:37:00
(Foto: Arquivo pessoal/Frederico Antônio Dias Barbosa)

Buraco em asfalto é coberto com cachorro morto dentro no interior de Goiás

Morador diz que o animal já estava morto e que jogaram massa asfáltica sobre ele; prefeitura nega autoria

Um morador do município de Itumbiara, no sul de Goiás, denunciou que um buraco no asfalto foi tapado com um cachorro dentro. Ao G1, o salgadeiro Frederico Antônio Dias Barbosa, de 21 anos, disse que o animal já estava morto e que jogaram massa asfáltica sobre ele, deixando parte do cão à mostra.

“Isso é um pecado. Todos na cidade estão revoltados com isso. Viram que o cachorro já estava morto lá dentro do buraco, jogaram a massa asfáltica em cima e parte do cachorro ficou para fora do asfalto. É revoltante”, desabafou Frederico.

O caso aconteceu na segunda-feira (21), na Avenida Dr. Celso Maeda, no Bairro Santa Rita. A prefeitura de Itumbiara declarou que nenhum servidor da Secretaria de Obras e Pavimentação Asfáltica tapou o buraco com o cachorro dentro e que "alguma pessoa, por má-fé, cavou o buraco e jogou o animal dentro, cobrindo com asfalto".

O órgão ainda informou que o rolo compressor que faz a pavimentação das vias pesa quase 10 toneladas e, "se tivessem tapado o buraco com o animal dentro, não sobraria nada dele". Mesmo negando a autoria, a prefeitura enviou uma equipe até o local nesta terça-feira (22) e retirou os restos do cachorro..

A Polícia Civil do município disse ao g1 que o delegado soube do caso pela imprensa e que está tomando as providências. Por enquanto, de acordo com a PC, não há informações sobre a investigação.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas