Caixa pede à dupla Ba-Vi que retire a logomarca dos uniformes

bate-pronto
14.01.2019, 05:00:00
Atualizado: 14.01.2019, 19:39:05

Caixa pede à dupla Ba-Vi que retire a logomarca dos uniformes

Por Editoria de Esporte

Bahia e Vitória receberam uma carta nada amigável no final do ano passado. A Caixa, patrocinadora master dos clubes, enviou um comunicado desautorizando a exibição do seu logotipo nos materiais de treino e de jogo das equipes na temporada 2019. Os clubes responderam à estatal que vão tirar a logo quando for conveniente, de acordo com a logística da troca dos materiais, para que não haja prejuízo com a confecção de novos uniformes só para este fim. O contrato de patrocínio com a dupla Ba-Vi acabou em dezembro. Segundo a Caixa, a renovação está em análise, por isso solicitou a retirada até que haja definição.

Clubes não obedeceram a estatal
Os clubes encaram o aviso da Caixa de maneiras opostas. O Bahia entende que é algo recorrente: todos os anos a marca é mantida "de graça" até que o contrato seja assinado e a estatal pague o retroativo. O tricolor entende que o banco manterá o patrocínio e busca negociá-lo. Já o Vitória entende que a Caixa não renovará o contrato e já procura um novo parceiro.

Banco não deve renovar parcerias
Com a mudança no governo federal, a chance do banco abandonar o futebol é real. O presidente Jair Bolsonaro já se posicionou contra os patrocínios. Em 2018, a estatal gastou R$ 127,8 milhões em patrocínios a 25 times. Bahia e Vitória receberam R$ 6 milhões, cada. O Flamengo é o clube que mais embolsou, com R$ 25 milhões.

Marcelo Sant'Ana vira empresário
Ex-presidente do Bahia, Marcelo Sant’Ana esteve prestes a trabalhar na nova gestão do Sport, mas o acerto com os pernambucanos não rolou. Assim, sem clube desde que deixou o Bahia, há pouco mais de um ano, o jornalista montou uma empresa de agenciamento de jogadores e técnicos ao lado do ex-diretor executivo de sua gestão no tricolor, Marcelo Barros. A empresa foi batizada de Footway.

Shaylon já sentiu a pressão
Mal chegou ao Bahia, o meia Shaylon já sentiu na pele – ou não – a pressão da torcida tricolor. O jogador colocou na descrição do seu perfil do Instagram a frase “Jogador do São Paulo emprestado ao Bahia”. A torcida não gostou, cobrando que ele valorizasse mais o tricolor baiano. Diante da pressão, o atleta resolveu de uma maneira inovadora: colocou seis bolinhas, três com as cores do São Paulo e as outras três com as do Bahia.

Danilo Gomes assume o Galícia
Conhecido pela habilidade dentro de campo e umas certas ‘escapadas’ nos times que passou, o ex-meia Danilo Gomes é o novo técnico do Galícia. O ex-jogador, de 37 anos, recebeu a oportunidade após o acerto de uma parceria entre o Granadeiro em uma empresa. Danilo teve passagem pelo azulino também como jogador, em 2014. O Galícia estreia na Série B do Campeonato Baiano contra o Olímpia, em 10/3.

Dobradinha na base no interior
Mesmo tendo sido eliminado ainda na primeira fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior, o Jacobina acabou tendo jogadores elogiados por torcedores baianos nas redes sociais. No entanto, o elenco do Jegue da Chapada na Copinha era formado por jogadores do Canaã, braço esportivo do Projeto Nova Canaã, um programa beneficente mantido pela Igreja Universal. O time disputará a Série B do Campeonato Baiano neste ano.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas