Caso Atakarejo: 'Seguranças deram eles na bandeja para a morte', diz mãe de vítima

salvador
30.04.2021, 18:06:00
Atualizado: 01.05.2021, 00:55:04
((Foto: Arisson Marinho/CORREIO))

Caso Atakarejo: 'Seguranças deram eles na bandeja para a morte', diz mãe de vítima

Familiares e amigos dos dois mortos fizeram um protesto em Fazenda Coutos III

Ajoelhada no asfalto quente, Dionésia Pereira de Barros, 58 anos, esbravejava a sua maior dor: "eu sei que erraram, mas os seguranças deram eles na bandeja para a morte". Ela repetiu isso inúmeras vezes durante o protesto, que aconteceu na manhã desta sexta-feira (30) no bairro de Fazenda Coutos III, pelas mortes de Bruno Barros Silva, 29, e Ian Barros Silva, 19. Ela é mãe de Bruno e avó de Ian, que foram encontrados brutalmente assassinados no porta-malas de um carro na Polêmica, após terem sido flagrados furtando na loja do supermercado Atakarejo, em Amaralina, na  última segunda-feira (26). A família diz que as vítimas foram entregues a traficantes do Nordeste, responsáveis pelas mortes. 

Cerca de 25 pessoas, entre parentes e amigos das vítimas, pediram por justiça na Rua Almeida Júnior, onde tio e sobrinho moravam. O protesto aconteceria na porta do Ministério Público do Estado (MP-BA), numa tentativa de pressionar o andamento das investigações, pois até agora ninguém foi preso. No entanto, o local foi transferido pelos manifestantes para a Fazenda Coutos III, para que outras pessoas da comunidade pudessem participar.

Ainda na manhã desta sexta, o MP-BA se manifestou sobre o assunto. Segundo o órgão, ao tomar conhecimento da morte dos primos, o MP-BA adotou as providências “cabíveis nesta fase preliminar de apuração, autuando uma notícia de crime e encaminhando ao Núcleo do Júri da Capital, para fins de acompanhamento das investigações que, conforme noticiado pela imprensa, já vêm sendo realizadas pela Polícia Civil”.

Protesto
O protesto começou por volta das 11h. Com camisas brancas e cartazes estampando as fotos de tio e sobrinho, os manifestantes fecharam a rua, no trecho pouco depois da unidade da Base Comunitária de Coutos. O trânsito ficou congestionado por aproximadamente 45 minutos. Entre as pessoas presentes, estava a mãe de Ian, Elaine Costas Silva, 37. Ela contou que tio e sobrinho encontrados mortos pediram dinheiro para pagar carnes que furtaram

(Foto: Reprodução)

“Como é que pode isso? Eles poderiam ter evitado tudo isso. Pra que os seguranças do Atakarejo entregaram eles aos traficantes? Porque não chamaram a polícia? Os seguranças pediram R$ 700 para pagar as carnes. Bruno ligou para uma prima dizendo que os seguranças queriam o dinheiro para pagamento do furto. A gente estava providenciando. Já tínhamos conseguido uns R$ 500, mas eles já tinham dado o meu filho e o tio dele para os traficantes”, disse Elaine em prantos. 

Ainda bastante emocionada, Elaine revelou que até agora o Atakarejo não procurou as famílias. “Não tiveram a humanidade de falar com a gente. Não recebemos uma ligação sequer do Atakarejo. Enterramos eles com muita dificuldade, pedindo dinheiro a um e a outro. Enterrei meu filho sem poder ver o rosto porque estava todo desfigurando. O tio dele teve o coração arrancado. Foi muita brutalidade que fizeram. Tudo porque os seguranças resolveram fazer justiça com as próprias mãos”, desabafou Elaine. 

Já no final, a mãe de Bruno, que estava em casa à base de medicamentos, chegou à manifestação acompanhada de outros parentes. Ela aproveitou a presença da imprensa e ajoelhou no asfalto e fez um apelo por justiça. “Eles não estavam armados. Queremos que todos eles paguem pelos seus atos. Queremos justiça. Meu filho e meu neto pegaram as carnes para matar a fome da família. Eles morreram de barriga vazia”, bradava.  

Relembre o caso
Os corpos foram encontrados no porta-malas de um carro com marcas de tortura e de tiros, e foram identificados pela polícia. Segundo os familiares de Bruno e Ian, após serem supostamente acusados de furto no supermercado, os dois teriam sido entregues a traficantes por funcionários do estabelecimento. 

“Ficamos sabendo que um gerente chamou os traficantes da área, que botaram os dois na mala de um carro. Se eles estavam roubando, tinham que chamar a polícia, e não fazer isso”, disse uma das familiares dos rapazes, enquanto aguardava a liberação dos corpos no Instituto Médico Legal (IML) Nina Rodrigues, no último dia 27.

Fotos que circulam nas redes sociais mostram tio e sobrinho em três momentos. O primeiro logo após eles terem sido flagrados roubando carne na rede de supermercado. Os dois estão agachados numa área interna do estabelecimento, ao lado dos produtos que teriam sido furtados e de um homem, apontado como segurança da loja.

O segundo momento mostra tio e sobrinho sentados numa escadaria do Boqueirão. As últimas fotos mostram os corpos, ambos com os rostos deformados por conta dos disparos.  

“Ficamos sabendo que um gerente manteve contato com os traficantes, que chegaram lá pouco depois. Eram mais de 10, todos armados, e levaram eles para o Boqueirão. Lá, deram mais de 30 tiros de metralhadoras, pistolas, escopeta e ainda deram facadas”, disse um amigo das vítimas, que também teve o nome preservado. 

Por meio da assessoria de comunicação, a rede de supermercado informou que "o Atakarejo é cumpridor da legislação vigente, e atua rigorosamente comprometido com a obediência às normas legais. Não compactua com qualquer ato em desacordo com a lei".
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas