Catador é morto por bandidos após PM matar integrantes de facção em Portão

bahia
11.07.2020, 14:22:00
Atualizado: 11.07.2020, 15:57:32

Catador é morto por bandidos após PM matar integrantes de facção em Portão

Vítima estava em casa quando foi surpreendida por três homens armados

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O catador de material reciclável José Cardoso de Jesus, 59 anos, morava no bairro de Portão, em Lauro de Freitas. A região é dominada pela facção Comando da Paz (CP), que vem aterrorizando a comunidade. Ele, como outros moradores, temia a violência e planejava deixar o local. No entanto, Seu José foi baleado mais uma vez enquanto dormia, após três homens encapuzados invadirem sua casa na noite desta sexta-feira (10). Vítima do que mais temia, ele morreu ao dar entrada no Hospital Menandro de Faria.

José será enterrado às 16h deste sábado (11) no cemitério municipal de Portão. Segundo a Polícia Civil, o catador de material reciclado não tinha ficha criminal. Ele foi executado com vários tiros no mesmo dia em que dois integrantes da facção local foram mortos pela Polícia Militar durante confronto ocorrido por volta das 9h.

José não teve chance de escapar (Foto: Acervo Pessoal)

O crime é investigado pela 34ª Delegacia (Portão). A delegada titular da unidade Andréa Arrais apura se a morte da vítima foi uma represália ao auto de resistência que resultou nas mortes dos traficantes Xandinho e Roney na manhã de sexta. “Sim. Trabalho com a hipótese do desdobramento”, declarou a delegada ao CORREIO.

Um dos autores do crime foi preso na manhã deste sábado (11) ainda em Portão. Segundo a polícia, trata-se de um rapaz de 20 anos, um dos integrantes da organização criminosa que atua na localidade. “Ele disse apenas que recebeu ordens do chefe para matar a vitima”, disse um subtenente da 52ª Companhia Independente (Lauro de Freitas), responsável pela prisão.

O tráfico de drogas em Portão é chefiado por Marcos Vinícius Santos Longo, o King. “Ele e outros ganharam a liberdade após uma série de liberações de presos por conta da pandemia”, declarou a delegada Andréa Arrais. Em abril do ano passado, King foi preso após fazer uma mulher refém e, na ocasião, estava com uma pistola com mira laser comprada por R$ 6 mil para matar policiais.

Marcos Vinicius é apontado como o chefe do tráfico de drogas na região (Foto: Mauro Akin Nassor/ Arquivo CORREIO)

Crime
O CORREIO conversou com o irmão de José Cardoso. Ele contou que José morava na Rua Cristóvão Pires, na localidade de Pé Preto, há oito anos, mas desde então falava constantemente em se mudar por conta da insegurança. “Ele morava lá há muito tempo. Juntou economias de anos de suor, comprou um terreno e ergueu uma casinha. Mas a violência chegou rapidamente e ele dizia sempre que queria ir para outro lugar. Só não saiu porque não tinha dinheiro para isso”, contou o autônomo Nilson Cardoso.

Nilson disse que o irmão morreu por volta das 22h, quando três homens encapuzados arrombaram a porta do imóvel e foram direto para o quarto da vítima e efetuaram os disparos. Na hora, a companheira do irmão dele presenciou o crime. “Ela está em estado de choque. Toda hora que a gente tenta falar, saber mais o que aconteceu, ela começa a chorar e entra em crise de pânico”, declarou o irmão do catador de material reciclável, que deixou oitos filhos de dois relacionamentos.

A família disse que não faz ideia do motivo pelo qual o catador foi brutalmente assassinado. “Ele não tinha envolvimento com nada. Sempre foi uma pessoa que gostava de tudo correto. Mas apesar disso, não era de se envolver em confusão. Nós não sabemos porque fizeram essa atrocidade com ele. Acreditamos que a polícia vai chegar a todos os culpados”, finalizou o irmão.

Confronto
O CORREIO procurou saber da Polícia Militar sobre as ocorrências que resultaram nas três mortes desta sexta em Portão. A PM informou que, de acordo com a 52ª Companhia Independente (Lauro de Freitas), policiais militares da unidade realizavam rondas na localidade de Pé Preto, na manhã de sexta-feira (10), quando foram recebidos a tiros por aproximadamente seis indivíduos e houve revide.

Os homens invadiram uma residência e conseguiram fugir. Quando a guarnição chegou ao local, encontrou dois homens caídos ao solo e, de imediato, foram socorridos para o Hospital Menandro de Farias, onde não resistiram aos ferimentos.

Foram apreendidos com eles uma pistola calibre .40; um revólver calibre 38; três carregadores de pistola .40; 69 munições calibre.40; cinco munições calibre 380; 87 pedras de crack; uma embalagem com pedras de crack trituradas; 165 trouxas de maconha; 45 pacotes da mesma droga; 60 pinos de cocaína; um coldre; uma balança; um caderno de anotações; um isqueiro; um aparelho celular e R$ 77,90. A ocorrência foi registrada na Corregedoria Geral da Polícia Militar.

Socorro
Em relação à morte do catador de material reciclável, a PM disse que por volta das 22h30 de sexta, policiais militares da 52ª CIPM foram acionados após informações de uma vítima de disparos de arma de fogo na localidade conhecida como Pé Preto, no bairro de Portão, em Lauro de Freitas. No local, após confirmar o fato, a guarnição socorreu a vítima para o Hospital Menandro de Farias, onde foi confirmado o óbito.

Questionada se a morte do catador teria sido uma represália à ao auto de resistência, a PM respondeu que a “Polícia Civil investigará o crime”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas