Cidadania ativa na coleta seletiva de lixo

agenda bahia
31.08.2017, 23:50:17
Atualizado: 31.08.2017, 23:58:21
Lucenir Gomes e Iracema Marques conduziram workshop (Evandro Veiga/CORREIO)

Cidadania ativa na coleta seletiva de lixo

Representantes da cadeia de resíduos se articulam para criar grupo de trabalho

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A participação de diferentes atores da sociedade no workshop Mapa do Lixo Zero, com cerca de 25 convidados presentes - entre cidadãos, empresários e poder público - mostra o interesse que as pessoas têm em tornar Salvador uma cidade melhor a partir de soluções para o problema cada vez maior da geração de resíduos sólidos. 

Conscientes de que o problema é de responsabilidade coletiva e compartilhada, os participantes deram sua visão sobre os papéis que cada um pode desempenhar no sistema, apresentando saídas para um maior engajamento do cidadão na coleta seletiva.

No encontro, as pessoas colocaram a sociedade civil como centro desta questão, tentando traçar um perfil desses indivíduos, bem como os contextos nos quais estão inseridos. “Nós precisamos olhar toda a cadeia de resíduos, incluindo aí o catador de material reciclável, e criar condições para o cidadão exercer o seu papel de corresponsabilidade neste processo”,defende a consultorada Fundação Avina, Lucenir Gomes.

A cidadã Clara Guimarães confessou que não sabia quase nada sobre o assunto e que começou a se interessar pelo tema do lixo recentemente. “O interesse tem que partir de cada pessoa. Em casa, eu só fazia o básico, que é separar o material reciclável, mas não sabia como a coisa era distribuída fora de casa”, conta.

Representante da Canteiros Coletivos, Débora Didonê defende que as soluções têm que estar ligadas à ideia de “fazer com que as pessoas se sintam parte da gestão da cidade”.

Entre as propostas de intervenção, destacaram-se as sugestões de poder aprender com as práticas das cooperativas; criar uma diversidade de soluções considerando os diferentes perfis e contextos dos indivíduos; fazer ações de comunicação espetaculares, substituição de aterros por reciclagem; criação de cláusulas contratuais para que empresas implantem gestão ambiental; maior incentivo ao consumo consciente; engajamento familiar e criação de indicadores para acompanhamento dos avanços.

Um segundo encontro do grupo será marcado para aprofundar as discussões.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas